Publicado em: 25/10/2019 às 16h22

A importância das pesquisas básicas na evolução da especialidade

Marco Bianchini aponta que a valorização das ciências básicas deve ser um exercício diário que fortalecerá a Odontologia brasileira.

  • Imprimir
  • Indique a um amigo

Para você, que é clínico e está acostumado a ver enfoques mais práticos e diretos da Implantodontia neste espaço, talvez seja um pouco enfadonho ler uma coluna que vai abordar um pouco a pesquisa básica. Contudo, te aconselho a ler este conteúdo até o final, lembrando sempre que é a partir da pesquisa básica que saem as grandes modificações finais dos nossos protocolos clínicos. Resista à tentação de não ler esta matéria. Respire fundo, se concentre e comece a se diferenciar na profissão.

Um doutorando do Programa de Pós-graduação em Odontologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) foi premiado no 28th Scientific Meeting of the European Association for Osseointegration (28º Encontro Científico da Associação Europeia de Osseointegração). Gabriel Leonardo Magrin, integrante do grupo de pesquisa do Centro de Ensino e Pesquisa em Implantes Dentários (Cepid), recebeu o European Prize for Basic Research in Implant Dentistry (Prêmio Europeu de Pesquisa Básica em Implantodontia) – maior prêmio da associação para a categoria de pesquisa básica (laboratorial). O evento ocorreu em Portugal, entre os dias 26 e 28 de setembro de 2019.

A pesquisa apresentada por Gabriel analisou o efeito dos ácidos graxos de cadeia curta em células do epitélio oral. Os ácidos graxos de cadeia curta são moléculas com, no máximo, seis carbonos, produzidas a partir da digestão celular de bactérias e localizadas principalmente no intestino. Uma parcela dessas moléculas pode entrar no sistema circulatório e exercer diferentes efeitos no organismo, atuando principalmente em doenças inflamatórias crônicas, como a artrite reumatoide e algumas doenças cardíacas. Contudo, seu efeito na doença periodontal, principal doença inflamatória da boca, ainda não é bem esclarecido.

Outro fato interessante é que bactérias associadas à doença periodontal também produzem ácidos graxos de cadeia curta durante o seu metabolismo, o que instigou ainda mais o interesse de Gabriel pelo assunto. Na pesquisa realizada pelo doutorando, o processo inflamatório foi estimulado por meio de citocinas pró-inflamatórias em células do epitélio gengival. Na sequência, os ácidos graxos acetato, proprionato e butirato foram depositados sobre as células, que responderam com um potente efeito anti-inflamatório. O principal resultado foi a alteração na expressão da molécula de adesão intercelular-1, responsável pela migração de células de defesa para os tecidos inflamados. Portanto, constatou-se que os ácidos graxos de cadeia curta possuem um papel de modulação durante o desenvolvimento da doença periodontal, o que pode ter influência na progressão da patologia.

Figura 1 – Doutorando do Cepid/UFSC recebendo a premiação no EAO 2019.


Esta pesquisa foi orientada pelo professor Cesar Augusto Magalhães Benfatti, vinculado ao Departamento de Odontologia da UFSC, e pelo professor Reinhard Gruber, chefe do Departamento de Biologia Oral da universidade austríaca e orientador do doutorando no exterior. O estágio no exterior foi possível graças à parceria entre o Cepid e o professor Gruber, que se iniciou anos atrás, quando outro aluno do Cepid, o hoje professor Gunther Schuldt Filho, realizou seu doutorado sanduíche na Universidade de Berna, na Suíça, sob orientação minha e do austríaco, que na época era docente na instituição da Suíça. Desde então, alguns trabalhos foram publicados com participação do professor Gruber e de pesquisadores do Cepid/UFSC, além de duas visitas do professor Gruber à instituição brasileira e de professores do Cepid/UFSC à Viena, na Áustria.

Obviamente, tudo isso teve a sua viabilidade facilitada por uma bolsa conquistada pelo doutorando Gabriel no Programa de Doutorado Sanduíche no Exterior (PDSE), fomentado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) do Governo Federal. Felizmente, os envolvidos neste trabalho conseguiram oferecer uma contrapartida importante ao investimento federal, uma vez que a pesquisa é bastante relevante, abre portas para futuras investigações e foi agraciada com uma forte premiação.

Os dentistas clínicos devem, cada vez mais, se voltar para a leitura de pesquisas básicas, mesmo que essas não possam ser aplicadas de imediato em seus consultórios. Além dos clínicos, os professores de Odontologia – que estão espalhados em cursos no Brasil inteiro – também precisam se doutrinar nesse exercício diário de valorização das ciências básicas. Somente assim conseguiremos nos diferenciar e iniciar o longo processo de sermos formadores de conhecimento, e não apenas copiadores.
 

Fonte: noticias.ufsc.br

 

“Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, paz e alegria no Espírito Santo. Porque quem nisto serve a Cristo, agradável é a Deus e aceito aos homens. Sigamos, pois, as coisas que servem para a paz e para a edificação de uns para com os outros.” (Romanos 14:17-19)

 

 
   


Marco Bianchini

Professor associado II do departamento de Odontologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); autor dos livros "O Passo a Passo Cirúrgico na Implantodontia" e "Diagnóstico e Tratamento das Alterações Peri-Implantares".

Contato: bian07@yahoo.com.br

  • Imprimir
  • Indique a um amigo