Publicado em: 27/09/2016 às 11h49

Extração e implante imediato no mesmo tempo cirúrgico

Especialistas esclarecem as dúvidas sobre o procedimento em pacientes com periodontite.

  • Imprimir
  • Indique a um amigo

Coordenação: Marco Antonio Brandão Pontual*
Colaboração: **Leonardo Moreira Cabral

 

O paciente com periodontite e com indicação de extração pode ter os elementos dentários removidos e ainda receber os implantes em um mesmo procedimento?

A presença de lesões periodontais e periapicais já não é mais contraindicação para a instalação de implantes imediatos. Diversos trabalhos de revisão bibliográfica têm mostrado altas taxas de sucesso quando implantes são instalados imediatamente após a extração de dentes condenados por essas causas. Alguns cuidados devem ser tomados previamente ao procedimento cirúrgico, com o objetivo de cronificar lesões agudas, como a raspagem periodontal, bochechos com antissépticos à base de clorexidina e, principalmente, antibioticoterapia pré e pós-operatória.

A descontaminação mecânica cuidadosa do alvéolo também é imprescindível para diminuir o risco de contaminação do implante e, assim, viabilizar o processo de osseointegração.

Na maioria dos dentes que apresenta lesões severas periapicais ou periodontais, a quantidade de osso remanescente está comprometida, e esse é um fator importante a ser avaliado devido à necessidade de se obter uma adequada estabilidade primária. A experiência clínica nos permite observar que a maior dificuldade não é mais a presença dessas lesões, mas sim a ausência de estrutura óssea adequada.

O correto planejamento cirúrgico obtido através de um minucioso exame clínico e pela avaliação da quantidade óssea através da tomografia, associado aos cuidados pré-cirúrgicos descritos acima, proporciona altas taxas de sucesso em implantes imediatos instalados em alvéolos de dentes com lesões periodontais e periapicais

 

Figura 1 – Radiografia periapical inicial, mostrando o dente
com lesão endoperio agudizada.
Figura 2 – Aspecto inicial, sendo possível observar edema vestibular e supuração.

 

Figura 3 – Radiografia de controle quatro anos após a cirurgia de implante imediato. Figura 4 – Aspecto final, com controle após quatro anos.

 

 

Figura 5 – Paciente jovem (33 anos) e com doença
periodontal avançada.
Figura 6 – Trabalho finalizado com a instalação de seis implantes superiores e seis inferiores.

 

Figura 7 – Radiografia final.

 

 

REFERÊNCIAS

• Chrcacanovic BR, Martins MD, Wennerberg A. Immediate placement of implants into infected sites. A systemic review. Clin Implant Dent Relat Res 2013.

• Leonhardt A, Gröndahl K, Bergstrom C, Lekholm U. Longterm follow-up of osseointegrated titanium implants using clinical, radiographic and microbiological parameters. Clin Oral Implants Res 2002;13:127-32.

 

 

 

 

*Marco Antonio Brandão Pontual

Graduado em Odontologia, professor e coordenador de Implantodontia (Ufes); Doutor em Implantodontia – UFSC; Mestre em Reabilitação Oral – FOB/USP; Mestre em Estética Peri-implantar – Universidade de Berna, Suíça; Membro internacional da The American Academy of Periodontology, EUA.

 

 

 

 

 

**Leonardo Moreira Cabral

Graduado em Odontologia e mestre em Ciência da Saúde (Prótese Dentária), e professor do curso de especialização em Prótese Dentária – Universidade de Brasília (UnB); Especialista em Prótese Dentária.

 

 

 

 

 

  • Imprimir
  • Indique a um amigo