Publicado em: 24/11/2017 às 17h07

Um alívio nas estomatites

Com origens diversas, as estomatites podem ser diagnosticadas e tratadas no consultório. Veja como identificar a origem das lesões e devolver o conforto ao paciente.

  • Imprimir
  • Indique a um amigo
O consultório odontológico é o melhor lugar para que as aftas sejam diagnosticadas e tratadas. (Imagens: Shutterstock)

 

A sensação é dolorosamente familiar. Dói para comer, para escovar os dentes, para sorrir, para falar... Normalmente, trata-se apenas de um pontinho de poucos milímetros na mucosa da boca. No entanto, pelo desconforto que uma pequena lesão de estomatite costuma provocar, ela poderia ser do tamanho de uma bola de basquete.

As aftas – ou estomatites, usando a terminologia genérica – são lesões ulcerativas nos tecidos bucais cuja origem está associada a algum tipo de trauma mecânico, térmico ou químico. No caso da estomatite aftosa recorrente, que acomete cerca de 20% da população, a origem ainda é pouco conhecida pela Medicina. O que se sabe é que as lesões são desencadeadas por problemas endócrinos, deficiências nutricionais, estresse, alergia a algum tipo de alimento, baixa imunológica, tensão pré-menstrual, medicamentos, tratamentos como quimioterapia, entre outros.

Os relatos de incômodo pela ocorrência de estomatites são frequentes na clínica odontológica. Desta forma, o consultório odontológico é o melhor lugar para que as lesões sejam reconhecidas, diagnosticadas e tratadas. Considerando que a estomatite pode ser o sintoma para um desequilíbrio mais grave no funcionamento do organismo, é fundamental que o cirurgião-dentista saiba identificar o fator que desencadeou o surgimento da lesão.

Adicionalmente, como a sensação de desconforto é muito aguda, o profissional da área odontológica é o principal responsável por providenciar o restabelecimento do conforto do paciente.


Exames clínicos e anamnese

O trauma mecânico é uma das principais origens desse tipo de lesão. Portanto, muitas aftas nascem de uma inocente mordida na língua ou na bochecha. Além disso, alguns tratamentos odontológicos podem traumatizar involuntariamente os tecidos intraorais. Os aparelhos ortodônticos e as próteses odontológicas estão entre os tratamentos que mais podem ocasionar tais lesões, portanto o profissional deve sempre estar atento para minimizar os pontos de atrito com a mucosa do paciente.

“Pacientes que receberam recentemente aparelhos ortodônticos podem traumatizar mucosas finas até que as mesmas ‘se acostumem’, ou seja, até que uma camada superficial de tecido ceratinizado seja formada. O mesmo ocorre com pacientes que receberam próteses há pouco tempo e que acabam traumatizando os tecidos intraorais até que a prótese seja devidamente ajustada”, explica Rodrigo Reis, master of science em Odontologia Restauradora e Biomateriais pela Universidade de Michigan.

Segundo Reis, os cirurgiões-dentistas devem estar atentos para identificar a origem das lesões. “Um exame clínico associado a uma boa anamnese seria um bom ponto de partida”, disse ele. Caso os exames indiquem que as estomatites podem ser o sinal de um desequilíbrio mais sério do corpo, outros profissionais devem ser envolvidos para a realização de exames mais apurados. “É importante trabalhar em parceria com o médico do paciente, além de atuar localmente nas lesões visando buscar o conforto do mesmo”.

No caso da estomatite aftosa recorrente, a origem pode ser atribuída a uma deficiência nutricional, por exemplo. A falta de ferro, ácido fólico e vitamina B12 pode provocar tais lesões. Assim, um nutricionista pode ser envolvido para uma avaliação mais profunda. O encaminhamento do caso seria totalmente diferente, caso as lesões fossem fruto de uma falha no sistema imunológico. O organismo deveria combater bactérias e acaba destruindo parte do tecido normal, causando as feridas. Ou seja, é fundamental identificar a origem para acionar corretamente um especialista de outra área.
 


 

Possíveis origens das estomatites

Diversos fatores podem desencadear as estomatites. Uma cuidadosa anamnese realizada junto ao paciente é essencial para entender o que provocou as lesões e se o acompanhamento de um especialista da área médica é necessário.
 

- Traumas mecânicos;

- Queimaduras;

- Tabagismo;

- Consumo excessivo de bebidas alcoólicas;

- Alergia a algum tipo de alimento;

- Baixa imunológica por estresse;

- Deficiências nutricionais;

- Uso de medicamentos;

- Sessões de quimioterapia e radioterapia;

- Doenças que afetam a imunidade, como lúpus, doença de Crohn e Aids;

- Desequilíbrio endócrino;

- Alterações hormonais (ex: tensão pré-menstrual);

- Hereditariedade;

- Cáries dentárias;

- Gengivite;

- Úlceras orais.



Triancinolona Acetonida

Quando o assunto é o conforto do paciente, o cirurgião-dentista conta com um grande aliado, com ampla indicação e alta eficiência. A triancinolona acetonida é uma substância que vem sendo utilizada na cicatrização dessas lesões com grande sucesso. O produto que incorpora essa solução tem o nome comercial de Omcilon-A Orabase.

“Trata-se de uma solução com diversas vantagens, como baixo custo, comprovado efeito terapêutico, fácil autoaplicação e baixo risco de feitos colaterais. Quando associado à orabase, passa a contar com um efeito tópico mais duradouro. Ou seja, não basta ser apenas triancinolona acetonida, mas estar associada a um veículo como orabase é essencial para o sucesso do uso intraoral”, acrescenta Reis.

A orabase é um gel que atua como veículo para que o medicamento tenha aderência ao local aplicado, permitindo íntimo contato e prolongado efeito terapêutico. Sem a associação com a orabase, o medicamento seria levado pelo fluxo salivar e rapidamente deglutido, comprometendo sua eficiência.

A correta posologia do Omcilon-A Orabase consiste em aplicar, sem esfregar, o medicamento sobre a área lesionada. O próprio paciente deve fazer a aplicação antes de dormir, podendo a critério do profissional ser aplicado de duas a três vezes por dia, até que se forme uma película fina sobre a região lesionada. Caso não haja remissão dos sintomas em sete dias, podem ser necessários exames complementares.

 

Matéria sob demanda desenvolvida pela VM Branded.
  • Imprimir
  • Indique a um amigo