Publicado em: 23/01/2018 às 09h48

Otimismo e reflexão

Julio Cesar Joly acredita que 2018 será um grande ano, em especial porque o cenário odontológico terá trabalho sério e muita disposição.

  • Imprimir
  • Indique a um amigo


Nessa primeira coluna de 2018, permita-me merecidas férias sobre qualquer discussão técnica para uma breve reflexão. Escrevi parte deste texto há alguns anos, mas ele ainda me parece bem atual. A ideia é brindarmos o bom momento da nossa Odontologia. É isso mesmo! E não pense que é uma opinião influenciada pela emoção do ano que está iniciando.

Em minhas andanças por todos os cantos do Brasil, encontro profissionais felizes, com clínicas organizadas, agendas cheias e trabalhando intensamente. Coincidentemente, vejo esses mesmos profissionais circulando nos principais eventos científicos, participando de bons cursos de pós-graduação e investindo em tecnologias úteis e na prestação de serviços de primeira qualidade. Infelizmente, esses colegas ainda representam uma minoria, mas uma minoria que cresce exponencialmente.

Não há como questionar que a maioria dos dentistas luta dignamente, mas com dificuldades, muitas vezes dependendo de empregos massacrantes ou de convênios cruéis, sem oportunidades frequentes para investir na contínua qualificação profissional. No entanto, investir não significa necessariamente gastar muito dinheiro em instalações luxuosas, na contratação de assessoria de imprensa para atender famosos, na aquisição de tecnologias supérfluas e tampouco na realização de cursos de pós-graduação em universidades internacionais. Está cada vez mais acessível praticarmos uma Odontologia honesta, de bons resultados, sem exageros, capaz de atender às necessidades plenas dos pacientes.

Diariamente, nos defrontamos com pacientes frustrados, mutilados e pseudotratados em clínicas suntuosas de verdadeiros marqueteiros de plantão. Decididamente, não é o outdoor na principal avenida da cidade ou as postagens impactantes nas mídias sociais que nos qualifica. Não é a obra de arte na sala de espera ou a cor da tinta da parede que aumenta o número de pacientes que atendemos. Não é o discurso com frases comercialmente prontas ou a marca do café em cápsula que aumenta a nossa rentabilidade. Esses valores secundários podem até ser bem-vindos se agregados ponderadamente, desde que não nos esqueçamos do essencial: a humanização do atendimento e a qualidade técnica do tratamento. Nossas ações precisam ser individualizadas, sem a adoção de protocolos universais. Não há regras.

Certamente, 2018 será um grande ano, porque mesmo que não ganhemos a Copa do Mundo sediada na Rússia, e mesmo que não elejamos um presidente honesto e incorruptível, no cenário odontológico trabalharemos com seriedade e muita disposição na busca do nosso melhor. Somente dessa forma seremos capazes de vencer todas as disputas das nossas vidas.

 

Julio Cesar Joly

Especialista, mestre e doutor em Periodontia – FOP/Unicamp; Coordenador dos cursos de mestrado em Implantodontia e Periodontia – SLMandic Campinas; Coordenador – Instituto ImplantePerio; Autor dos livros “Reconstrução Tecidual Estética” e “Perio-Implantodontia Estética”.

 


 

 

  • Imprimir
  • Indique a um amigo