Publicado em: 27/03/2018 às 11h25

O futuro pertence aos cones

Reconhecido como o sistema que mais cresce na Implantodontia, o cone-morse oferece vantagens mecânicas, biológicas e estéticas – isso sem contar a flexibilidade de uso.

  • Imprimir
  • Indique a um amigo

Na primeira edição da série Boas escolhas – Implacil De Bortoli, mostramos o pioneirismo da empresa no lançamento do implante osseointegrado no Brasil e o investimento na formação de um conselho científico de alto padrão, composto por pesquisadores e clínicos de reconhecimento internacional.

Dentre os diversos frutos colhidos ao longo dos anos, a Implacil De Bortoli apresenta resultados extremamente positivos com a linha de implantes cone-morse, que foi desenvolvida em 2007 – e, de lá para cá, mostra uma surpreendente e ascendente penetração no mercado.

Conheça também o implante exclusivo Due Cone e suas inúmeras vantagens de uso clínico, pois foi o grande responsável por este sucesso da empresa.

Boa leitura!

Nilton de Bortoli Jr.
Presidente Implacil De Bortoli

 

Em meados do século 19, o engenheiro Stephen Ambrose Morse desenvolveu um sistema de embricamento mecânico entre dois parafusos, que permanecem estáveis e não se soltam. Embora a proposta inicial fosse o uso em eletrodomésticos e na indústria automobilística, acabou chegando na Odontologia em 1985. Na última década, houve maior publicação de pesquisas em Implantodontia e, com isso, a conexão cone-morse ganhou espaço nos consultórios do mundo inteiro. “Basicamente, consiste em uma força de união, que é proporcional à força de inserção, o que evita que o cone macho seja removido do cone fêmea, mesmo ao girá-lo ou aplicando força axial. O apertamento adequado dos cones garante o travamento seguro e natural para o parafuso que une o pilar protético ao implante, explica Luiz Fernando Martins André, mestre em Implantodontia, especialista em Prótese Dentária e autor do livros Atlas de Prótese Sobre Implantes Cone-Morse e Atlas de Implantes Cone-Morse: da Cirurgia à Prótese.

Os implantes cone-morse – também conhecidos por conexão cônica – podem ser utilizados em praticamente todas as situações clínicas, mas são empregados especialmente em reabilitações unitárias, devido à sua grande estabilidade mecânica, e nos implantes imediatos, porque podem ser instalados abaixo da crista óssea.

Sergio J. Jayme, doutor em Reabilitação Oral, menciona como uma limitação desse sistema os implantes curtos em área com pouco osso e com acidentes anatômicos importantes, por ser impossível sua instalação infr aósseo. Martins André adiciona que nos casos de espaços interoclusais diminutos, a melhor opção é o hexágono externo, por permitir que a prótese emerja da plataforma do implante, favorecendo a conclusão do tratamento.


VANTAGENS

Atualmente, a plataforma cone-morse é a conexão que mais cresce no mercado. Mas, para chegar a esse nível de utilização no Brasil, foram necessários anos de trabalho para a disseminação de seus benefícios. “Quando começamos a falar em cone-morse, em 1998, houve muita resistência por parte dos clínicos, que temiam a resistência e os resultados do implante. O desenvolvimento da plataforma switching foi um marco importante para a comprovação da sua eficiência e do seu desempenho. A partir desse momento, aumentou bastante a aceitação entre os profissionais de Odontologia”, detalha Roberto Ferrari, mestre em Implantodontia e membro do primeiro grupo de brasileiros que disseminou a plataforma cone-morse no Brasil, há 20 anos.

Para Alfredo Mikail Melo Mesquita, mestre e doutor em Prótese Dentária, na medida em que aumenta o conhecimento sobre seus benefícios mecânicos e biológicos e que os dentistas se adequam ao conceito de trabalho requerido por ela, não há mais sentido o trabalho com conexões tradicionais.

Martins André explica que uma prótese unitária pode ser confeccionada em apenas duas sessões. O segundo estágio cirúrgico, dependendo da técnica aplicada, possibilita ao profissional fazer a moldagem na mesma consulta. “Sua segurança mecânica é inquestionável, porque os pilares não perdem estabilidade. Os tecidos peri-implantares, devido à plataforma expandida dos implantes cone-morse (plataforma switching), são mais estáveis e de maior previsibilidade longitudinal”.

Do ponto de vista mecânico, as conexões internas distribuem a carga mastigatória mais para o centro do implante e, após a ciclagem mecânica gerada pela mastigação, esse embricamento se torna mais forte, aumentando a estabilidade do conjunto pilar/implante e eliminando o gap do conjunto, o que proporciona um excelente vedamento à penetração bacteriana.

Para Jayme, é preciso lembrar da vantagem estética. “Como o implante fica de 1 mm a 2 mm dentro do osso, haverá um volume de tecido mole muito maior, que facilita a estética vermelha e o contorno da prótese”, avalia.

O paciente também poderá ser reabilitado elemento a elemento, devido ao diâmetro do implante ser maior do que o diâmetro do componente. Há a possibilidade de reabilitar através de implantes unitários, sem confeccionar próteses fixas, apenas fazendo uso de pônticos. Ou seja, as distâncias entre os implantes ou entre o implante e o elemento dental deixam de ser um grande desafio.
 

DIFERENCIAIS DO DUE CONE

Segundo Mesquita, a Implacil De Bortoli disponibiliza de forma exclusiva o implante Due Cone, com dois cones internos separados por uma zona de indexação, que proporciona excelente selamento e estabilidade do conjunto pilar/implante.

Jayme afirma que as peças da marca apresentam excelente travamento e podem ser uma opção para carga imediata na região anterior, em área estética. “Também é uma ótima escolha por ficar infraósseo, garantindo a manutenção óssea ao redor do implante e também volume gengival”, destaca.

Ferrari argumenta que o Due Cone veio somar na plataforma cone-morse as qualidades do formato verdadeiramente cônico, que propicia uma estabilidade inicial excelente, tanto para tratamentos em maxila quanto para a implantação imediata e, principalmente, para a ativação imediata do implante. “O Due Cone da Implacil De Bortoli alcança estabilidade primária em ossos com pouca densidade, o que é difícil de conseguir em outros sistemas nacionais ou importados. O tratamento de superfície da Implacil De Bortoli permite uma osseointegração com níveis muito acima da média mundial, o que garante segurança no uso do produto. Também, a superfície tratada até a plataforma do cone-morse reduz muito a incidência de peri-implantite nas reabilitações feitas com esse implante”, acrescenta.

Para Martins André, os implantes cônicos Due Cone também aumentam a precisão na hora da instalação devido à utilização de fresas individuais. Por tudo o que foi exposto, o implante Due Cone, considerando sua eficácia e segurança baseada em dados científicos, tem sido a primeira escolha dos especialistas brasileiros, principalmente, para a indicação de reabilitações unitárias.


REFERÊNCIAS

1. De Bortoli JPA, Kojima AN, Medeiros-Silva JH, Moura RV, Dib LL, Mesquita AMM. Avaliação das tensões geradas por implantes cone-morse ao osso peri-implantar, variando o nível de instalação. Implant News & Views (Print) 2015;12(6):127-36.

2. Hung CCU, Calabro DE, Barbaran PMV, Moura RV, Giovani EM, Mesquita AMM. Avaliação da deformação superficial do osso gerada por cargas axiais em implantes de diferentes comprimentos. ImplantNewsPerio 2017;2(5):868-73.

3. Gehrke SA, Delgado-Ruiz RA, Frutos JCP, Prados-Privado M, Dedavid BA, Granero Marín JM et al. Misfit of three different implant-abutment connections before and after cyclic load application: an in vitro study. Int J Oral Maxillofac Implants 2017;32(4):822-9. (doi: 10.11607/jomi.5629).

4. Marão HF, Jimbo R, Neiva R, Gil LF, Bowers M, Bonfante EA et al. Cortical and trabecular bone healing patterns and quantification for three different dental implant systems. Int J Oral Maxillofac Implants 2017;32(3):585-92. (doi: 10.11607/jomi.4856). Epub 2016 Nov 11.

5. Iezzi G, Vantaggiato G, Shibli JA, Fiera E, Falco A, Piattelli A et al. Machined and sandblasted human dental implants retrieved after 5 years: a histologic and histomorphometric analysis of three cases. Quintessence Int 2012;43(4):287-92.
 

Na próxima edição de Boas escolhas – Implacil De Bortoli, conheça as opções mais adequadas para realizar a regeneração óssea guiada (ROG).
  • Imprimir
  • Indique a um amigo