Publicado em: 22/05/2018 às 17h35

Instituto Brånemark celebra vitória

Decisão da Justiça deixa entidade próxima de assegurar sua permanência no Brasil.

  • Imprimir
  • Indique a um amigo
Caso a decisão se confirme, a entidade poderá permanecer no Brasil funcionando em outro endereço. (Foto: divulgação)


Por Adilson Fuzo 

 

O Instituto Brånemark conseguiu uma importante vitória em sua disputa jurídica contra a prefeitura de Bauru e o Ministério Público do Estado de São Paulo. Em decisão unânime anunciada em 19 de abril, pela desembargadora do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), Teresa Ramos Marques, o instituto conseguiu o desbloqueio de seus bens e livrou-se do pedido indenizatório de quase R$ 10 milhões.

Enquanto aguarda o período legal de eventuais recursos jurídicos, a direção do Instituto Brånemark planeja seu futuro. Caso a decisão da Justiça se confirme, a entidade terá condições de permanecer no Brasil funcionando em outro endereço, uma vez que o prazo de concessão no imóvel atual expirou.

“Aguardaremos apenas o trânsito em julgado da decisão do Tribunal de Justiça”, explicou o advogado da entidade, Paulo Roberto Parmegiani. “Em seguida, com o desbloqueio de todos os seus bens, o instituto estará apto a funcionar onde desejar. Há convites de diversos municípios para receber o instituto. Caberá à diretoria deliberar a respeito”.

 

ENTENDENDO O CASO

A disputa judicial começou quando o poder público tentou impedir a renovação do contrato de concessão do imóvel ocupado pelo instituto. A prefeitura local e o MP argumentavam que a entidade não cumpriu o número mínimo de 100 a 120 atendimentos gratuitos por mês. Esses atendimentos seriam feitos em contrapartida para a utilização do prédio, que foi construído em terreno pertencente ao município. Em resposta, o instituto mostrava que havia cumprido muito mais atendimentos do que o volume acordado no contrato.

O impasse se deu porque o MP e a prefeitura queriam considerar que cada atendimento correspondia a um novo paciente, enquanto o instituto considerava em seus cálculos que um atendimento correspondia a uma sessão em que aquele paciente foi recebido por um profissional.

 Conhecendo a atuação histórica do Prof. P-I Brånemark na cidade e o trabalho do instituto, muitos moradores da cidade se mobilizaram em solidariedade ao instituto. Também participaram da mobilização milhares de pacientes beneficiados pelos tratamentos e profissionais de Implantodontia de todo o Brasil.

Acolhendo um pedido do MP, a Justiça bloqueou os bens do instituto em 29 de janeiro e mandou lacrar o imóvel onde ele mantinha suas atividades. Além disso, o poder público passou a pedir uma indenização de quase R$ 10 milhões.

Na decisão atual do TJSP, a desembargadora considerou que a interpretação do poder público estaria equivocada. Segundo a decisão, a ideia de que cada atendimento corresponderia a um paciente novo não era “viável nem razoável”, dada a complexidade dos tratamentos com implantes dentários.

  • Imprimir
  • Indique a um amigo