Publicado em: 26/09/2018 às 14h15

Inteligência artificial versus fator humano

Essa foi a temática central do 7º Cimes, que destacou as tecnologias para o futuro e a experiência do usuário como um dos pilares da inovação.

  • Imprimir
  • Indique a um amigo
Encontro promovido pela Abimo reuniu mais de 300 profissionais. (Imagem: divulgação)

 

Por Flavius Deliberalli


O 7º Cimes – Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde cumpriu seu objetivo de fortalecer a inovação no setor. Nos dias 22 e 23 de agosto, no hotel Maksoud Plaza, em São Paulo, o encontro promovido pela Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios (Abimo) reuniu mais de 300 profissionais de diversos segmentos para discutir riscos e oportunidades que envolvem as aplicações da inteligência artificial na indústria da Saúde.

Ainda que a tecnologia venha promovendo grandes avanços no planejamento e na realização de procedimentos clínicos, a importância do fator humano ocupou um papel de destaque nas atividades do encontro. “A humanização da tecnologia foi colocada como centro desse processo, e ficou muito perceptível nas abordagens de todos os palestrantes”, avalia Franco Pallamolla, presidente da Abimo.

A programação do 7o Cimes foi complementada por rodadas de inovação tecnológica. De acordo com a comissão organizadora, foram realizadas 200 reuniões entre acadêmicos, membros de entidades e empresários do setor. Marcando o encerramento do evento, o filósofo Luiz Felipe Pondé falou sobre os impactos da tecnologia no cotidiano e traçou possíveis cenários para o futuro da humanidade. “Tínhamos o objetivo de subir a régua qualitativa do Cimes e tenho convicção de que conseguimos atingi-lo. Todos os debates foram muito proveitosos e nos levaram à certeza de que acertamos novamente”, avalia o presidente da Abimo.
 

IMPACTOS NA ODONTOLOGIA

Através de dois painéis, as aplicações que abrangem a inteligência artificial no contexto da área odontológica foram analisadas de maneira aprofundada. Com ênfase em tendências, o primeiro painel discutiu as tecnologias para o futuro da Odontologia.

Convidados internacionais, como Asbjorn Jokstad (Noruega), Elisabeth Dianne Rekow (Estados Unidos) e Max Gordon (Suécia) relataram suas experiências com a análise inteligente de imagens, com a navegação assistida por computador optoeletrônico para cirurgias de implante dentário sem incisões e também com a manufatura aditiva, que possibilita a produção de peças por meio de impressoras 3D. “As tecnologias do futuro já estão em um estágio favorável para desdobramentos em diversas áreas da Odontologia”, acrescenta Claudio Fernandes, consultor de Odontologia da Abimo que mediou as interações nos dois painéis.

A outra sessão reforçou a importância da experiência do usuário como um dos pilares da inovação. De acordo com Fernandes, a articulação do mercado e o trabalho colaborativo em diferentes frentes são fundamentais para o avanço tecnológico se tornar, efetivamente, um aliado no aprimoramento dos tratamentos. “A experiência do usuário pode nos nortear para reduzir os riscos da inovação, otimizar investimentos e encontrar formas de compartilhamento de recursos e de ideias, no sentido de acelerar o desenvolvimento da inovação”, pontua.
 

  • Imprimir
  • Indique a um amigo