Publicado em: 29/01/2019 às 09h10

Quem é quem no IN 2019: Prótese Dentária bem representada

Ao longo deste ano, apresentaremos em detalhes os principais nomes que compõem o corpo docente do IN 2019.

  • Imprimir
  • Indique a um amigo

Gerard Chiche dispensa apresentações. Formado pela Faculdade de Odontologia da Universidade de Paris (na França), ele foi professor na Universidade Estadual da Louisiana (nos Estados Unidos) durante muitos anos, mesmo local onde foram produzidas as primeiras monografias sobre “O Estado e Arte das Cerâmicas Odontológicas”, que é uma série de três volumes organizada por John McLean, o pai das cerâmicas contemporâneas.

No começo dos anos 1990, Chiche também lançou um livro que se tornaria clássico: Estética em Próteses Fixas Anteriores, em coautoria com o grande técnico Alan Pinault. Sua preocupação estética sempre girou em torno de como esconder as margens das restaurações sem comprometer a saúde gengival. Para isso, ele produziu em seguida outro grande livro com o ceramista Hitoshi Aoshima.

Em 2003, ganhou o prêmio de educador pelo Study Club Seattle e, em 2007, como palestrante na Academia de Nova York. Atualmente, ele é professor na Universidade de Augusta (estado da Geórgia, nos Estados Unidos). No palco do IN 2019, teremos, como sempre, uma aula de bom senso e dinamismo sobre suas experiências clínicas com as cerâmicas em zircônia monolítica.

 

A capacidade de transmitir ao público com clareza e precisão os mais diversos temas dentro da Odontologia Restauradora é a marca registrada de Sidney Kina. Assistir sua palestra é ter uma experiência única, na qual o congressista saberá ao final não somente como, mas também quando e o porquê do tema abordado.

Este profissional de Maringá (PR) é mundialmente reconhecido por criar uma Odontologia mais simples e, em conjunto com August Bruguera, a perpetuou no livro Invisível.

Kina usa sua filosofia zen para se concentrar 100% no paciente. Ele considera que o cirurgião-dentista, ao longo do tempo, deverá confiar mais na sua intuição frente às escolhas difíceis desta profissão. Tendo ao seu lado Ronaldo Hirata e Oswaldo Scopin, Sidnei Kina será uma das grandes estrelas deste IN 2019.

 

Quando se fala em desenho da plataforma do implante e seu posicionamento tridimensional, automaticamente pensamos em Eric Rompen. Professor pela Universidade de Lieja (na Bélgica), ele é um dos especialistas que mais trabalharam nisso nos últimos dez anos, sempre pensando em uma forma de reduzir a contaminação bacteriana nesta interface e permitindo que as fibras do tecido supracrestal fiquem inseridas sem que o protesista tenha a preocupação de molestá-las. Rompen busca incessantemente o melhor desenho do perfil de emergência do pilar protético, tanto em metal quanto em cerâmica. Trata-se de um pesquisador nato. Quando está no palco, sempre agrega conhecimento.

Vale ressaltar que ele foi presidente da European Association for Osseointegration (2001-2003) e da Sociedade Belga de Periodontologia (2001-2004).

 

Guilherme Cabral é um daqueles casos em que o ceramista se alterna com o cirurgião-dentista e vice-versa.

Formado em tecnologia laboratorial em 1995 e graduado em Odontologia no ano de 1999, ele desenvolveu em 2002 um novo método para o ensino da morfologia dentária. Ainda, continuaria sua escala de sucesso ao fazer parte do Team Atlanta (que conta com nomes como David Garber, Ronald Goldstein, Maurice Salama e Henry Salama), no qual foi o ceramista-chefe entre 2007 e 2011. Outro fato marcante é que Cabral se tornou coautor do Digital Smile Design System, junto com Livio Yoshinaga e Christian Coachman. Ele também foi professor assistente do grupo de apoio à pesquisa em Materiais Dentários (Napem) da USP. Atualmente, ele comanda o Instituto Artis, em Taubaté (SP), fazendo aquilo que mais gosta: Odontologia, educação e laboratório, com ênfase em microscopia operatória.

 

 

  • Imprimir
  • Indique a um amigo