Publicado em: 12/08/2019 às 07h15

Tratamento não cirúrgico da peri-implantite: resultados de 12 meses

Leituras essenciais: Paulo Rossetti e Rafaela Videira fizeram uma seleção de artigos científicos de destaque publicados em periódicos de circulação internacional.

  • Imprimir
  • Indique a um amigo
Seleção de artigos científicos de destaque publicados em periódicos de circulação internacional. Paulo Rossetti (editor científico da revista) e Rafaela Videira (doutoranda em Clínica Odontológica/Periodontia – FOP/Unicamp) fizeram uma leitura crítica e comentada como proposta para ampliar nossos conhecimentos.

 

Tratamento não cirúrgico da peri-implantite: resultados de 12 meses

Nart J, Pons R, Valles C, Esmatges A, Sanz-Martín I, Monje A. Non-surgical therapeutic outcomes of peri-implantitis: 12-month results. Clin Oral Investig 2019 May 23 (DOI: 10.1007/s00784-019-02943-8).

Por que é interessante: avalia parâmetros clínicos e radiográficos de implantes tratados por meio de debridamento mecânico não cirúrgico associado à terapia antibiótica sistêmica, seguida por terapia de suporte peri-implantar.

Desenho experimental: estudo prospectivo de uma série de casos que avalia os resultados clínicos e radiográ©cos de 12 meses do tratamento de implantes com peri-implantite, tratados com o debridamento ultrassônico, jato abrasivo de glicina e associação com metronidazol sistêmico (500 mg a cada oito horas, por sete dias), com posterior acompanhamento de terapia de suporte.

Os achados: 21 pacientes foram incluídos no estudo. Um implante foi perdido durante o período de estudo (taxa de sobrevida de 95,2%). Alterações substanciais ocorreram aos 12 meses em todas as variáveis clínicas e radiográficas, atingindo forte significância estatística na maioria delas. De acordo com os critérios de sucesso aplicados, 40,9% da peri-implantite foi solucionada, enquanto 59,1% apresentava pelo menos um local com sangramento a sondagem. Além disso, 95,45% exibiu profundidade de sondagem < 5 mm no final do estudo. Nenhum implante apresentou perda óssea progressiva.

Conclusão: a terapia não cirúrgica da peri-implantite é eficaz para estabilizar a perda óssea progressiva, para reduzir a profundidade a sondagem e supuração, além de obter preenchimento ósseo radiográfico na maioria dos casos. No entanto, não foi completamente eficaz na redução do sangramento a sondagem.

Veja o artigo original em: https://bit.ly/2yj8CJJ

  • Imprimir
  • Indique a um amigo