Publicado em: 12/08/2019 às 08h06

Qual a importância da papila?

Elcio Marcantonio Jr. e Fausto Frizzera classificam os diferentes tipos de papilas e sua previsibilidade.

  • Imprimir
  • Indique a um amigo

Qual a importância da papila?
A papila interdentária preenche a ameia cervical e possui características importantes na composição estética e funcional1. Sua perda pode promover aumento do índice de biofilme devido ao maior acúmulo de resíduos e à dificuldade de higienização na região interproximal. Dificuldades fonéticas também podem ser relatadas por pacientes com extensa destruição nessa região. Além disso, as papilas compõem a estética do tecido mole e sua perda pode provocar espaços negros entre os dentes ou alteração na arquitetura do tecido mole2.


Como a papila é perdida?
A perda da papila ocorre nas áreas que apresentam defeito ósseo em decorrência de trauma ao tecido, que pode ser: patológico, como ocorre na periodontite ou peri-implantite; mecânico, pelo trauma excessivo com fio dental, escovas, palitos ou lesões autoinfligidas; cirúrgico, quando a elevação de um retalho ou o próprio trauma do procedimento ao tecido pode levar à perda parcial ou total da papila3.


Como podemos classificar os diferentes tipos de papilas?
De acordo com Jemt4, a papila pode ser classificada em cinco tipos:

1. Ausência da papila;

2. Perda parcial da papila, quando menos da metade da altura original está presente;

3. Perda parcial da papila, quando é maior ou igual à metade da altura original;

4. Papila normal, quando não há perda de tecido interproximal;

5. Papila hiperplásica, que cobre parte das faces livres.


É possível prever a altura de papila ao redor de dentes e implantes?
Alguns estudos clássicos demonstram a relação da altura da papila entre dentes, implantes e pônticos5-6. Além disso, mensuraram áreas entre dentes e implantes, dentes e pônticos, assim como de implantes e pônticos (Tabela 1). Autores7 demonstraram a importância da relação entre o ponto de contato (PC) dentário e a crista óssea interproximal (COI) na presença da papila. Nesse estudo, foi verificado que quando a distância entre PC e COI era igual a 5 mm, em 100% dos pacientes o tecido mole preenchia completamente o espaço interproximal. Mas, caso essa distância fosse igual a 6 mm ou 7 mm, a frequência reduzia para 56% e 27%, respectivamente. Esses estudos demonstraram a importância do ponto ou de uma área de contato entre dentes e restaurações para estabelecer uma papila com altura adequada.

TABELA 1 – LIMITE DE ALTURA DA PAPILA DIANTE DE DIFERENTES SITUAÇÕES CLÍNICAS (ADAPTADO6)


Quais os tipos de tratamento para a perda de papilas e sua previsibilidade?
Tratamentos cirúrgicos, restauradores, ortodônticos e com materiais preenchedores são propostos na literatura com diferentes índices de previsibilidade. A cirurgia para reconstrução de papila entre dentes e implantes é considerada imprevisível, sendo que alguns relatos de casos clínicos mostram resultados interessantes, mas estudos clínicos que comprovem sua efetividade são limitados8. O preenchimento com ácido hialurônico apresenta uma lógica interessante para o tratamento de pequenos defeitos em papila, embora temporária. Também, divergências são encontradas na literatura: o preenchimento da papila entre dentes mostrou resultados promissores9, já entre implantes não houve diferença após a aplicação do preenchedor ou soro10. Tratamentos restauradores e ortodônticos, combinados ou isolados, são os que apresentam os melhores resultados no tratamento da perda de papila. A transformação de um ponto de contato em uma verdadeira área de contato preenche fisicamente a ameia cervical, aproxima o PC da COI e facilita também a migração coronal da papila com o acompanhamento longitudinal11-12. A movimentação ortodôntica, especialmente a extrusão lenta, promove o aumento do tecido ósseo e gengival em altura, permitindo a melhora de defeitos em papilas13. O tratamento desse tipo de defeito continua sendo de alta complexidade e, nessas situações, uma abordagem integrada permitirá a obtenção de resultados mais previsíveis.

 

REFERÊNCIAS
1. Urban IA, Klokkevold PR, Takei HH. Abutment-supported papilla: a combined surgical and prosthetic approach to papilla reformation. Int J Periodontics Restorative Dent 2016;36(5):665-71.
2. Ryser MR, Block MS, Mercante DE. Correlation of papilla to crestal bone levels around single tooth implants in immediate or delayed crown protocols. J Oral Maxillofac Surg 2005;63(8):1184-95.
3. Nemcovsky CE, Moses O, Artzi Z. Interproximal papillae reconstruction in maxillary implants. J Periodontol 2000;71(2):308-14.
4. Jemt T. Regeneration of gingival papillae after single-implant treatment. Int J Periodontics Restorative Dent 1997;17(4):326-33.
5. Tarnow D, Elian N, Fletcher P, Froum S, Magner A, Cho SC et al. Vertical distance from the crest of bone to the height of the interproximal papilla between adjacent implants. J Periodontol 2003;74(12):1785-8.
6. Salama H, Salama MA, Garber D, Adar P. The interproximal height of bone: a guidepost to predictable aesthetic strategies and soft tissue contours in anterior tooth replacement. Pract Periodontics Aesthet Dent 1998;10(9):1131-41.
7. Tarnow DP, Magner AW, Fletcher P. The effect of the distance from the contact point to the crest of bone on the presence or absence of the interproximal dental papilla. J Periodontol 1992;63(12):995-6.
8. Feuillet D, Keller JF, Agossa K. Interproximal tunneling with a customized connective tissue graft: a microsurgical technique for interdental papilla reconstruction. Int J Periodontics Restorative Dent 2018;38(6):833-9.
9. Awartani FA, Tatakis DN. Interdental papilla loss: treatment by hyaluronic acid gel injection: a case series. Clin Oral Investig 2016;20(7):1775-80.
10. Bertl K, Gotfredsen K, Jensen SS, Bruckmann C, Stavropoulos A. Can hyaluronan injections augment deficient papillae at implant-supported crowns in the anterior maxilla? A randomized controlled clinical trial with 6 months follow-up. Clin Oral Implants Res 2017;28(9):1054-61.
11. Wittneben JG, Buser D, Belser UC, Brägger U. Peri-implant soft tissue conditioning with provisional restorations in the esthetic zone: the dynamic compression technique. Int J Periodontics Restorative Dent 2013;33(4):447-55 (DOI: 10.11607/prd.1268).
12. Frizzera F, Shibli JA, Marcantonio Jr. Estética integrada em Periodontia e Implantodontia (1st ed.) Nova Odessa: Napoleão Quintessence Publishing, 2018.
13. Buskin R, Castellon P, Hochstedler JL. Orthodontic extrusion and orthodontic extraction in preprosthetic treatment using implant therapy. Pract Periodontics Aesthet Dent 2000;12(2):213-9.


 

Elcio Marcantonio Junior

Professor titular das disciplinas de Periodontia e Implantodontia, e coordenador do curso de especialização em Implantodontia – FOAr/Unesp; Professor colaborador do Ilapeo.
orcid.org/0000-0002-9660-4524

 

 

 

 

 

 

Colaboração:

Fausto Frizzera

Especialista e mestre em Periodontia, e doutor em Implantodontia – FOAr/Unesp; Professor titular de Periodontia e Implantodontia – Faesa Centro Universitário; Professor da pós-graduação em Implantodontia – ABO/ES.
orcid.org/0000-0002-0027-6686

 

 

 

 

 

 

 

 

  • Imprimir
  • Indique a um amigo