INPN - O portal das revistas ImplatNews e PerioNews
 
Compartilhe   Compartilhe Twitter Imprimir Indique a um amigo
Publicado em: 23/08/2016 10h27

Pigmentação gengival, gengivectomia e peeling

Vitório Campos da Silva e equipe mostram como é feito o tratamento de dois casos clínicos.

A pigmentação gengival ocorre devido a vários fatores: farmacológicos; hábitos deletérios (como o fumo); pigmentações melânicas; e doenças como a síndrome de Peutz-Jeghers (SPJ), caracterizada pela presença de pólipos intestinais; gene autossômico dominante; pigmentações melânicas nos lábios e gengiva (Figura 1); e presença de pigmentações em paciente de pele escura.

 

Atualmente existe uma grande procura por um sorriso perfeito. Por razões estéticas, áreas pigmentadas necessitam serem removidas.

Técnicas como gengivectomia, enxertos e/ou peeling são bem conhecidas e utilizadas na Periodontia. O peeling, dentre outras técnicas, mostra-se a mais simples, apresentando bons resultados. Nesta técnica, utilizam-se brocas diamantadas e/ou bisturi de Kirkland. A anestesia é local e o pós-operatório sem intercorrências. Três a quatro semanas após a cirurgia, a gengiva apresenta-se totalmente recuperada (Figuras 2 a 7).

No caso número 1, paciente de 44 anos, sexo feminino, diagnosticada como portadora da síndrome de Peutz-Jeghers (SPJ), nos procurou no ano de 1987 (Figura 1).

Figura 1 – Manchas melânicas características da SPJ, síndrome com alto grau de malignização.

 

 

Já no caso número 2, paciente de 32 anos, sexo feminino, saudável, pele morena, nos procurou no ano de 1984 (Figuras 2 a 7). Após diagnóstico diferencial, são mostradas figuras ilustrativas do caso clínico número 2 (técnica do peeling).

Figura 2 – Crescimento gengival e pseudobolsas.

 

 

Figura 3 – Manchas melânicas e delineamento da incisão (festonado), realizado com as “costas do bisturi”.

 

Figura 4 – Remoção da gengiva/gengivectomia.

 

Figura 5  - Detalhe de parte da gengiva após a gengivectomia.

 

Figura 6 - Gengivoplastia e peeling.

 

Figura 7 - Resultado quatro semanas após a cirurgia.

 

 

 

Caso haja interesse, solicite o artigo completo pelo e-mail: vitoriodentistry@gmail.com.

 

Vitório Campos da Silva


Especialista em Periodontia, Esp. em Implantodontia, Pós-graduação UIC/Chicago IL, Mestre em Implantodontia, PhD Patologia Celular e Molecular, Pós-doutorando em Medicina.

 

 

 

 

 

Colaboração: 

Brenda de Pina Campos Medeiros CRO-DF 6953
Especialista em Radiologia - 2º Ten ODT Medeiros, Exército 

Bruna Campos de Freitas CRO-DF 7759
Especialista em Radiologia – 1º Ten Bruna Campos, Aeronáutica

 

 



E-mail
Cadastre seu e-mail e receba nossas Newsletters