INPN - O portal das revistas ImplatNews e PerioNews
 
Compartilhe  Compartilhe Twitter Imprimir Indique a um amigo
Publicado em: 11/10/2017 14h39

IN 2017: ciência com profundidade

Com a presença de mais de 5 mil pessoas, o IN 2017 reuniu o que há de melhor na prótese sobre implantes.
O IN 2017 disseminou conhecimento e contribuiu com a formação dos profissionais. (Fotos: Panóptica Multimídia)


Por Renata Putinatti


Reconhecido como o maior e mais importante evento de Implantodontia da América Latina, o IN – Latin American Osseointegration Congress conseguiu sintetizar na edição de 2017 as mais recentes atualizações científicas e clínicas disponíveis para a prática diária da Odontologia reabilitadora.

Profissionais brasileiros e estrangeiros se reuniram para compartilhar vivências e pesquisas relacionadas à Implantodontia, Periodontia e Prótese Dentária. Com dinamismo e profundidade, os speakers propuseram diversos debates e uma verdadeira imersão na ciência de alto nível. Segundo Mario Groisman, presidente dessa edição, o IN se tornou um evento clássico e mostra na essência que a educação é a chave do sucesso. “A única maneira de impactarmos a nossa cultura é através do conhecimento. Cada vez mais, o IN traz o estado da arte do que representa a Odontologia moderna”, afirma.

Realizado pela VM Comunicação e promovido pela ImplantNewsPerio, o evento foi sediado no Palácio das Convenções do Anhembi, em São Paulo, entre os dias 23 e 26 de agosto. À frente da organização estavam Mario Groisman (presidente do evento), Paulo Rossetti (coordenador científico internacional), Guaracilei Maciel Vidigal Jr. (coordenador científico nacional), Arthur Belém Novaes Jr. (presidente de honra), Vicente de Souza Pinto (patrono) e Haroldo Vieira (coordenador executivo).

Os ministradores internacionais engrandeceram o propósito de compartilhamento de experiências, com a presença de Matteo Chiapasco, Eric Van Dooren, Alessandro Pozzi, José Luiz Calvo-Guirado, Zvi Artzi, José Valdívia, Maurice Salama, German Gallucci, Bernard Touati, Hugo De Bruyn, Lyndon Cooper, Juan Carlos Abarno, Guillermo Cagnone, Sergio Gotta e Jorge Gabito Mira. O time de professores brasileiros também foi fundamental para manter o patamar de qualidade do encontro.

Ao todo, foram 197 palestrantes compondo uma extensa programação de 175 cursos – entre imersão, mesa-redonda, conferência, plantão de dúvidas e workshop – para mais de 5.550 congressistas e visitantes. Todo esse conteúdo foi complementado por 215 painéis científicos e dezenas de apresentações corporativas oferecidas no Corporate Session. Vale destacar também as 81 empresas que estiveram presentes na ExpoIN 2017, exposição promocional que aconteceu simultaneamente ao congresso e que ocupou uma área de 7.000 m².


Prótese Dentária no IN 2017

A especialidade esteve muito bem representada durante os quatro dias do evento e ocupou uma importante parte da programação geral. Dentre as aulas magnas, que foram sessões especiais de uma hora com grandes mestres brasileiros, Dario Adolfi discutiu as restaurações provisórias para reabilitações totais, enfatizando que elas não se limitam apenas a algo temporário, mas devem ser um projeto bem aproximado do modelo para as restaurações definitivas, preenchendo todos os requisitos estéticos e funcionais.

Além disso, tendo em vista o cenário atual, com processos cada vez mais digitalizados, o encontro foi complementado com um workshop sobre Odontologia digital. Ministrada por José Umberto De Luca e Silvio De Luca, a atividade foi dividida em duas turmas e abordou a relação entre a atuação do dentista e o uso das tecnologias. Sob o tema “Odontologia computadorizada de volta ao laboratório”, eles falaram, entre outros aspectos, sobre as reais vantagens dos sistemas intraorais e como agilizar a confecção dos guias para uma Implantodontia mais rápida e segura.

Na grade que envolveu as Conferências Direto ao Ponto – aulas rápidas e objetivas conduzidas por mestres brasileiros –, o público teve contato com temas de alto interesse clínico e de pesquisa nas várias áreas da Reabilitação Oral. No que diz respeito à Prótese Dentária, as apresentações englobaram reabilitações totais CAD/CAM; materiais de alta performance; importância da adesão no planejamento das reabilitações; avaliações essenciais para obter uma transição bem-sucedida das próteses fixas sobre dentes para as próteses fixas sobre implantes; planejamento virtual e cirurgia guiada; relação entre implantes e CAD/CAM; interface pilar/implante; próteses parafusadas e cimentadas; desafios da Odontologia moderna com CAD/CAM; e restaurações cerâmicas anteriores sobre dentes e implantes.

Nesta edição, uma das novidades foi o retorno do Plantão de Dúvidas, caracterizado por aulas dinâmicas e com maior comunicação entre o público e o ministrador devido ao número reduzido de vagas (apenas 60 lugares). Assim como nas outras atividades, também foram escalados protesistas renomados para discutir adesão nas próteses sobre implantes, força oclusal, cirurgia guiada e prótese protocolo ou seccionada.

 

Dario Adolfi   Silvio De Luca José Umberto De Luca

 


Mesas-redondas internacionais destacaram técnicas restauradoras

 

Realizadas no palco do auditório principal, o Celso Furtado, as seis mesas-redondas internacionais foram um momento único para compartilhar experiências envolvendo práticas clínicas e pesquisas. Nesse ano, a atividade contou com uma novidade: cada mesa-redonda era composta por dois ministradores internacionais e dois brasileiros, para que o público pudesse absorver e vivenciar diferentes perspectivas de cada tema proposto.

As discussões permearam por todas as áreas da Reabilitação Oral, abrangendo também as técnicas relacionadas à Prótese Dentária. O debate que envolveu número de implantes, design e posição foi presidido por Valdir Muglia, que chamou ao palco German Gallucci (Estados Unidos) para apresentar recomendações clínicas para o tratamento de maxilas e mandíbulas edêntulas com prótese fixa. Na mesma mesa-redonda, Daniel Telles ilustrou com casos clínicos as vantagens e desvantagens das próteses totais fixas e removíveis, salientando que o paciente deve ser corretamente orientado para poder decidir, com clareza, com quais destas vantagens e desvantagens prefere conviver no seu dia a dia, sem se arrepender posteriormente de sua decisão.

No debate em torno do sucesso e falha de implantes, intermediado por Arthur Belém Novaes Júnior, Lyndon Cooper (Estados Unidos) foi o representante da especialidade e apresentou o método das próteses de zircônia implantossuportadas, considerando-a uma técnica um pouco mais difícil para executar do que a de cerâmica, porém, mais estética e resistente. Embora tenha avaliado como baixo os riscos de complicações, Cooper não teve subsídios suficientes para informar se a relação custo-benefício seria adequada para o Brasil.

Para fechar o ciclo de mesas-redondas, a temática escolhida foi “Desenhos de reconstruções cerâmicas sobre pilares para implantes: como tomar uma decisão?”, coordenada por Carlos Araujo e que culminou em uma discussão bastante proveitosa entre os participantes. O primeiro conferencista foi Guillermo Cagnone (Argentina), com casos clínicos explorando uma tendência moderna de utilizar barras protocolo em zircônia e próteses parafusadas por lingual. Em seguida, Bernard Touati (França) abordou um tema biologicamente bem atual e relevante, que versava sobre a instalação de munhões em implantes com conexão cônica. Já José Geraldo Malaguti falou sobre as inovações em Implantodontia e exibiu a tecnologia moderna em cerâmicas e casos clínicos com alta qualidade final. Para concluir a atividade, Diego Klee abordou um protocolo bastante interessante de instalação de implantes em alvéolos de extração imediata.

 

German Gallucci  Daniel Telles  Lyndon Cooper  Carlos Araujo  Guillermo Cagnone

 


Cursos de imersão internacionais

Entre as atividades mais aguardadas do IN 2017, os tradicionais cursos de imersão internacionais foram um grande sucesso. Das 24 apresentações, nove tiveram como foco principal a Prótese Dentária. Durante duas horas, temas de alta complexidade e relevância clínica foram abordados de maneira aprofundada por mestres brasileiros e estrangeiros, como Sidney Kina, Oswaldo Scopin, Marco Antonio Bottino, Renata Faria, equipe Ateliê Oral, Eric Van Dooren, Victor Clavijo, Alessandro Pozzi, Marcelo Calamita, German Gallucci e Marcelo Lucchesi Teixieira.


Inter-relação Perio-Implante-Prótese

Victor Clavijo e Eric Van Dooren (Bélgica) dividiram o palco para demonstrar, através de casos clínicos, vídeos, radiografias e tomografias, a interação da Periodontia e da Prótese Dentária, ressaltando a importância do conhecimento dessas bases para a condução de casos em Implantodontia. Foram exibidos casos com acompanhamento clínico de dez anos, concluindo que o protocolo utilizado para implantes unitários seguindo as etapas de extração, colocação do implante e regeneração óssea e tecidual é um procedimento seguro, quando bem indicado, no dia a dia do clínico. A dupla adentrou também à era CAD/CAM na cirurgia guiada, abordando o planejamento e a possibilidade de produzir – antes da cirurgia e em arquivos Dicom e STL – guias cirúrgicos, provisórios, abutments definitivos e provisórios, e cicatrizadores personalizados, otimizando o tempo cirúrgico e a arquitetura tecidual ao redor do futuro implante.

 

Bernard Touati  José Geraldo Malaguti  Diego Klee  Victor Clavijo  Eric Van Dooren

 


Sistemas cerâmicos

Sidney Kina falou sobre as perspectivas, possibilidades e previsibilidade com diferentes sistemas cerâmicos em restaurações sobre dentes e implantes. Durante as duas horas de curso, fez questão de frisar que as restaurações cerâmicas são uma opção de tratamento bem documentada, eficaz e previsível. Isto resulta de suas propriedades físicas estáveis em termos de cor e forma, desde que o planejamento do tratamento esteja correto. O remanescente dentário, o tipo e o posicionamento dos implantes, os padrões oclusais e os diferentes tipos de cerâmica foram discutidos em um protocolo completo para as decisões clínicas.


Cirurgia e prótese guiadas

Em sua aula sobre função imediata e estética por meio de cirurgia guiada e prótese guiada, Alessandro Pozzi (Itália) mostrou-se muito consistente e buscou detalhar o manejo cirúrgico de tecidos duros e moles com cirurgia guiada e próteses guiadas imediatas, além de reconhecer as vantagens e desvantagens desses procedimentos. Ele fez uma abordagem do planejamento reverso virtual, desde a determinação da posição dental ótima final, passando pelo enceramento para elaboração da prótese e instalação dos implantes. Pozzi cumpriu o seu objetivo de demonstrar uma visão profunda sobre como tratar pacientes parciais e totalmente edêntulos com o eficiente e novo fluxo de trabalho digital integrado.


Tecnologia aplicada às reabilitações protéticas

Apesar do alto custo, a tecnologia empregada na execução de reabilitações protéticas é um processo irreversível. Esse foi o ponto de partida de Marco Antonio Bottino e Renata Faria, que enfatizaram também os novos materiais cerâmicos e híbridos, e o emprego da tecnologia CAD/CAM para a realização de trabalhos protéticos. Ao abordarem os novos materiais cerâmicos e híbridos, eles comentaram sobre suas técnicas e indicações, e sobre a necessidade de conhecê-los bem para fazer a correta indicação. Renata e Bottino deram grande importância ao envolvimento estético das próteses sobre implantes na atualidade e na confecção dos pilares sobre implantes personalizados em zircônia. Por fim, discutiram como planejar e executar reabilitações sobre implantes totalmente metal free para próteses parciais e totais (protocolo) em zircônia de alta translucidez, material que está revolucionando os tratamentos reabilitadores por suas propriedades mecânicas e óticas.


Prótese clássica versus era digital

Ao avaliar a função da estética por meio dos princípios fundamentais da prótese clássica na era digital, Marcelo Calamita destacou que a chave para a consistência e previsibilidade está na definição clara dos objetivos de um tratamento com saúde longitudinal e em uma sequência pragmática de planejamento. Embora a seleção de materiais e técnicas seja mais complexa hoje, é essencial entender as recomendações, o momento oportuno de uso e como personalizá-los para o paciente.

Ao longo da aula, foram revisados e discutidos os aspectos críticos para incorporar os princípios funcionais e biológicos ao projeto restaurador, superando as expectativas com conforto, estabilidade e longevidade.


 

Sidney Kina  Alessandro Pozzi  Marco Antonio Bottino  Renata Faria  Marcelo Calamita


Sistema DPR

O Sistema DPR (Decisões, Procedimentos e Resultados) nasceu da experiência de Marcelo Lucchesi Teixeira nos cursos de pós-graduação ministrados pela Equipe Perio Prótese Implantodontia de Campinas (EPPIC). De forma geral, ele explicou que o sistema tem o objetivo de formatar o tratamento reabilitador a partir de um fluxo de trabalho desenvolvido especialmente para a nova realidade da Reabilitação Oral, que contempla procedimentos modernos e mais tradicionais, e profissionais que se adaptam a um ou a outro com mais facilidade. Esse sistema trabalha de acordo com a classificação de complexidade para cada caso, evitando gasto de energia, tempo e dinheiro na conduta do profissional e individualizando o fluxo para cada caso. Teixeira explicou que o DPR tem como foco otimizar o processo de coleta de dados, sistematizando-o, além de facilitar a análise desses dados a partir de perguntas-chave predeterminadas, o que automatiza a tomada de decisões.

Adicionalmente, o sistema estabelece a hierarquização dos procedimentos, o que torna esse processo mais eficaz e simplificado, e auxilia na obtenção de resultados estéticos ótimos, determinados previamente à execução de qualquer intervenção irreversível, ou seja, de forma previsível.


Complicações com implantes em áreas estéticas

Durante a reabilitação com implantes dentários, a elaboração e o cumprimento das etapas do plano de tratamento são peças-chave para o sucesso da reabilitação. Essa foi a base para o curso ministrado por Oswaldo Scopin. Mesmo com o auxílio de ferramentas tecnológicas para a realização das cirurgias, são cada vez mais frequentes complicações na área estética, como parafusos com perda de torque, fratura de elementos do conjunto restaurador, alteração de cor dos dentes vizinhos, movimentações dentais e defeitos em tecidos moles. Para ele, o profissional deve estar preparado para tais complicações, assim, é importante avaliar o risco de cada reabilitação e estar apto para realizar um planejamento oclusal frente à dinâmica oclusal do paciente, avaliar a anatomia dental e periodontal, além de utilizar materiais adequados para a cimentação e reabilitação, prevenindo futuras complicações e alcançando o sucesso no tratamento.


Tecnologias digitais na prótese sobre implante

German Gallucci (Estados Unidos) destacou os benefícios da tecnologia digital aplicáveis em vários níveis: diagnóstico, planejamento cirúrgico e reabilitador, além da execução clínica e laboratorial das próteses sobre implantes. Como embasamento, exibiu diferentes casos clínicos, sendo alguns totalmente desenvolvidos com tecnologia digital. Em outros casos, mostrou a união de métodos de tratamento convencional e digital, ratificando que a Odontologia digital está cada vez mais acessível. O professor deu especial atenção ao posicionamento dos implantes e ao design dos pilares e cicatrizadores, mostrando que ambos, se forem muito curtos e largos, podem proporcionar maior perda óssea marginal peri-implantar.


A influência da tecnologia

Na aula da equipe do Ateliê Oral, representada por Luis Calicchio, Wagner Nhoncance e Gustavo Giordani, foi abordada a integração entre Periodontia, Implantodontia e Prótese Dentária. Mostrou-se como a comunicação interdisciplinar é fundamental para trabalhar na área de transição entre tecido gengival e restaurações, a fim de obter resultados naturais nos tratamentos. Outro ponto discutido foi como a Odontologia Digital está colaborando para o alcance de resultados previsíveis nos tratamentos realizados por eles e como esta tecnologia está tornando os laboratórios de prótese mais produtivos.

 

Marcelo Lucchesi Teixeira  Oswaldo Scopin  Luis Calicchio  Wagner Nhoncance  Gustavo Giordani


 

Agradecimento aos presidentes das mesas-redondas, ministradores dos cursos de imersão internacionais e aos coordenadores Alessandro Januário, Angelica Araujo, Eduardo Ayub, Marco Pontual e Sheyla Lira Montenegro pela colaboração com as informações contidas nesse texto.

Assuntos Relacionados:
IN 2017; cobertura; prótese sobre implantes; eventos


E-mail
Cadastre seu e-mail e receba nossas Newsletters