INPN - O portal das revistas ImplatNews e PerioNews
 
Compartilhe  Compartilhe Twitter Imprimir Indique a um amigo
Publicado em: 6/11/2018 10h10

Uma coroa de zircônia no dente 26 se soltou duas semanas após a cimentação com cimento resinoso dual. Por que isso pode ter ocorrido?

Na coluna Pergunte ao especialista, Eduardo Miyashita responde aos leitores da revista PróteseNews.

Uma coroa de zircônia no dente 26 se soltou duas semanas após a cimentação com cimento resinoso dual. Por que isso pode ter ocorrido? Pergunta enviada por Rachel Machado, de Pindamonhangaba (SP).    

 

Eduardo Miyashita

As próteses de zircônia são confeccionadas com uma estrutura cerâmica policristalina de zircônia estabilizada por ítrio (Y-TZP), que pode ser realizada de forma monolítica com maquiagem da superfície ou ceramocerâmica em duas camadas com revestimento estético de cerâmica vítrea feldspática ou de fluorapatita. A zircônia não sofre ação do ácido fluorídrico a 5% ou 10%, desta forma, a retenção das coroas depende das características do preparo dentário que, de maneira geral, precisa de altura mínima de 5 mm e pouca expulsividade. Em caso de preparos curtos ou expulsivos, há maior risco no deslocamento das coroas, por isso podem ser realizados procedimentos para aumentar a retentividade das restaurações, como:

A) Uso de cimentos com adesivos que possuam monômeros fosfatados, como o MDP, ou primers de metal/ zircônia, que aumentam a adesão dos cimentos resinosos à zircônia;

B) Ao utilizar cimentos autocondicionantes, evitar o uso de gluconato de clorexidina em qualquer concentração na limpeza do preparo, pois pode gerar diminuição significativa na adesão dos cimentos à dentina;

C) Os jatos abrasivos devem ser realizados de forma cuidadosa, já que a pressão excessiva com jatos de óxido de alumínio pode levar à transformação de fase cristalina na infraestrutura da zircônia, promovendo a propagação de trincas. O tratamento da superfície da zircônia com jato de óxido de sílica (silicatização) – usando produtos como o Cojet ou Rocatec Soft (3M Espe) –, com 2 bar de pressão, é considerado pela literatura científica como o que promove a melhor adesão entre a zircônia e os sistemas adesivos de cimentação. 

 

Caso clínico 1 – Coroas de zircônia em preparos curtos
 

Figura 1 – Coroas de zircônia nos dentes 35 e 36 no modelo troquelizado.

 

Figura 2 – Vista interna das coroas ceramocerâmicas de zircônia.

 

Figura 3 – Vista vestibular dos preparos dentários curtos para coroa total com espaço interoclusal reduzido.

 

Figura 4 – Vista oclusal com espelho dos preparos dentários para coroa total nos dentes 35 e 36.

 

Figura 5 – Exemplo de jateamento de coroa de zircônia com óxido de sílica (silicatização) feito com Cojet (3M Espe) com aparelho de microjato.

 

Figura 6 – Vista interna das coroas jateadas com óxido de sílica.

 

Figura 7 – Vista vestibular
das coroas de zircônia cimentadas.
Figura 8 – Vista oclusal com espelho
das coroas ajustadas e cimentadas.


 

Caso clínico 2 – Onlay de zircônia monolítica
 

Figura 9 – Vista oclusal em modelo de onlay de zircônia Prettau (Zirkonzahn).

 

Figura 10 – Vista vestibular em modelo de onlay de zircônia Prettau.

 

Figura 11 – A onlay de zircônia Prettau apresenta pouca retentividade ao preparo parcial.

 

Figura 12 – Jateamento com óxido de sílica (silicatização) feito com Cojet (3M Espe) com aparelho de microjato.

 

Figura 13 – Vista oclusal do preparo para onlay em paciente com bruxismo de rangimento dentário.

 

Figura 14 – Vista oclusal da onlay de zircônia cimentada.

 

 

 

Eduardo Miyashita
 

Professor titular do Depto. de Odontologia, disciplina de Prótese Dental – Unip/SP; Doutor em Odontologia Restauradora – Unesp/SJC.

 

 

 


Assuntos Relacionados:
coroa; zircônia; cimentação; cimento resinoso dual; pergunte ao especialista; Eduardo Miyashita


E-mail
Cadastre seu e-mail e receba nossas Newsletters