INPN - O portal das revistas ImplatNews e PerioNews
 
Compartilhe  Compartilhe Twitter Imprimir Indique a um amigo
Publicado em: 4/11/2019 52h5

Zircônia: um material em evolução

Mesmo com algumas limitações, a zircônia é reconhecida pela excelência em relação à resistência, estética, biocompatibilidade e características mecânicas.

A evolução das tecnologias digitais e dos sistemas CAD/CAM foi responsável por uma transformação nos materiais dentários, principalmente a zircônia. Reconhecida pela excelência em relação à resistência, estética, biocompatibilidade e características mecânicas – quando comparada aos metais – ela se tornou o material de escolha para a confecção de próteses fixas e sobre implantes, além de restaurações unitárias e múltiplas.

Porém, assim como acontece com outros sistemas, a zircônia ainda apresenta algumas limitações. Para discutir a aplicação e o desempenho desse material na reabilitação oral, reunimos um time de professores que atuam nas áreas de Materiais e Prótese Dentária. A seguir, acompanhe o resultado dessa discussão.

 

As quatro gerações

Claudia Angela Maziero Volpato
​Mestra e doutora em Odontologia, e professora associada do Depto. de Odontologia da Universidade Federal de Santa Catarina.

Luis Gustavo D’Altoé Garbelotto
​Especialista em Prótese Dentária e mestre em Ciência e Engenharia de Materiais pela Universidade Federal de Santa Catarina; Professor dos cursos de especialização em Prótese Dentária e Implantodontia da Zenith Educação Continuada.

 

Sem dúvida, a zircônia veio para ficar. Seu excelente desempenho mecânico associado a propriedades óticas promissoras impulsionaram o avanço das tecnologias CAD/CAM, solucionando desafios estéticos relacionados às tradicionais próteses metalocerâmicas. A zircônia é um material estrutural que oferece biocompatibilidade e durabilidade ao longo do tempo, podendo ser empregada em diferentes situações clínicas. Atualmente, próteses de zircônia podem ser obtidas a partir de duas estratégias laboratoriais: na primeira, infraestruturas são confeccionadas por técnicas de usinagem CAD/CAM e recobertas com materiais cerâmicos estéticos (próteses bilaminares), Figuras 1 a 6; na segunda, as próteses são feitas totalmente em zircônia (próteses monolíticas), Figuras 7 a 9.

Figura 1 – Infraestruturas em zircônia (HT, Upcera, China) prontas para serem recobertas.

 

Figura 2 – Estratificação da porcelana feldspática.

 

Figura 3 – Próteses bilaminares concluídas (TPDs: Carlos Prux Landmeier, do Centro de Escaneamento Dental, São José/SC; e Carlos Augusto Maranghello, do Dell’Art Laboratório, Porto Alegre/RS).

 

Figura 4 – Observe a translucidez que foi obtida com o uso de uma zircônia de terceira geração.

 

Figuras 5 e 6 – Próteses concluídas e instaladas.

 

Figuras 7 e 8 – Próteses fixas monolíticas (TT, Upcera, China. TPD Carlos Prux Landmeier, do Centro de Escaneamento Dental, São José/SC).

 

Figura 9 – Resultado final após a instalação das próteses.

 

Quatro gerações de materiais à base de zircônia estão sendo comercializadas no mundo. A 3Y-TZP (zircônia tetragonal parcialmente estabilizada por ítria) é a mais conhecida e representa a primeira geração, como exemplo temos: Lava Frame (3M Espe, EUA), Vita YZ T (Vita Zahnfabrik, Alemanha), Prettau Zr (Zirkonzahn, Itália), entre outras. Ela possui características similares a outros materiais cerâmicos (feldspáticos e vítreos), como boa estabilidade química e baixos potenciais de corrosão e de desgaste. Também apresenta resistência mecânica elevada decorrente do mecanismo de “tenacificação por transformação”, o qual só é possível devido à presença de estruturas cristalinas diferenciadas (fases monoclínica, tetragonal e cúbica). No momento em que a zircônia é “tensionada”, transformações t-m (da fase tetragonal para monoclínica) permitem o aumento no volume das partículas, impedindo a propagação de trincas e melhorando o desempenho mecânico1.

Originalmente esse é um material branco que permite coloração. Para esse fim, o técnico pode imergir as peças de zircônia pré-sinterizada em soluções colorantes ou pode pintar anualmente a superfície com um pincel. A técnica de imersão (dipping technique) proporciona um resultado rápido e eficaz, sendo muito empregada na coloração de infraestruturas e pilares. Por outro lado, a técnica do pincel (brush infiltration technique) é mais utilizada para a coloração de próteses monolíticas e facetas, uma vez que várias soluções colorantes podem ser utilizadas ao mesmo tempo, resultando em uma coloração personalizada. Porém, a 3Y-TZP apresenta pobre translucidez, resultante do alto índice de refração e baixo coeficiente de absorção, comuns em zircônias não cúbicas2. Para minimizar a alta opacidade, pesquisadores têm estudado rotas e processamentos que incluem a modificação de estabilizadores ou da rede cristalina3.

Zircônias de segunda geração são produzidas com redução na quantidade de alumina e alteração nos parâmetros de sinterização, resultando em um discreto aumento na translucidez (por exemplo: Lava Plus, 3M Espe, EUA; Vita YZ HT, Vita Zahnfabrik, Alemanha; entre outras). Entretanto, esse aumento ainda não é suficiente para que o material possa ser empregado em próteses monolíticas.

Zircônias de terceira geração (altamente translúcidas – high-translucency zirconia; e ultratranslúcidas – cubic ultratranslucent zirconia) apresentam diferenças marcantes na microestrutura, como a variação na quantidade de ítria (4Y-PSZ e 5Y-PSZ) e a introdução de fase cúbica (por exemplo: IPS e.max ZirCAD MT, Ivoclar Vivadent, Liechtenstein; Prettau 4 Anterior, Zirkonzahn, Itália; Katana ST/STML, Kuraray Noritake; entre outras)4. O aumento da translucidez é evidente, porém a presença majoritária da fase cúbica tem sido correlacionada à menor resistência à flexão encontrada nesses materiais5.

A quarta geração das zircônias reapresenta a segunda e a terceira geração, associando os seus benefícios ao conceito de materiais com gradiente funcional (functionally graded materials – FGMs). Essa estratégia tem resultado na obtenção de blocos graduados em cor, translucidez e/ou resistência (multilayered zirconia), tendo como exemplo a Lava Esthetic, 3M Espe, EUA. FGMs são uma classe de materiais onde uma variação gradual e suave entre materiais dissimilares está presente, visando alcançar propriedades (mecânicas, químicas e/ou óticas) otimizadas quando submetidos à função6.

Limitações inerentes à zircônia podem comprometer o comportamento mecânico e ótico das próteses, e, consequentemente, sua longevidade clínica. A suscetibilidade ao envelhecimento é uma delas. Sabe-se que esse fenômeno é um fato comprovado cientificamente por estudos laboratoriais, e suas consequências incluem degradação superficial, microtrincas e diminuição da resistência a médio e longo prazo. Porém, apesar do envelhecimento ter sido associado a falhas em próteses coxo-femurais7, a previsibilidade de falhas em próteses odontológicas ainda não está completamente esclarecida, principalmente devido à complexidade desse fenômeno e à dificuldade de correlacionar as falhas encontradas com o envelhecimento em si. Até o presente momento, apenas um estudo clínico prospectivo, que utilizou uma análise ex vivo, está disponível na literatura8.

Outro fator importante a ser destacado é a incompatibilidade entre a zircônia e a cerâmica de cobertura, o que tem reforçado ainda mais a importância no avanço dos materiais e técnicas laboratoriais para próteses monolíticas. A interface criada entre os dois materiais cerâmicos é o elo mais fraco das restaurações bilaminares. Estudos clínicos de acompanhamento de curto e longo prazo apresentam percentuais de sucesso favoráveis para próteses de zircônia9, porém a ocorrência de fraturas ou lascamentos da cerâmica de cobertura é significativamente maior nessas próteses, chegando a 10% em um período de 1-2 anos de serviço10.

Por outro lado, a preocupação atual dos pesquisadores tem sido o potencial adesivo desse material, uma vez que o objetivo em um futuro breve é empregá-lo rotineiramente em restaurações minimamente invasivas. A zircônia é uma cerâmica acidorresistente que não apresenta sílica em sua composição, impossibilitando que técnicas clássicas de adesão sejam utilizadas com sucesso. O jateamento com partículas de óxido de alumínio ou o tratamento triboquímico associado à aplicação de um agente adesivo contendo monômeros de ácido fosfórico hidrofóbico (10-MDP), atualmente, é o protocolo mais confiável para alcançar uma adesão satisfatória à zircônia11. Para isso, o profissional deve compreender e dominar as técnicas adesivas, assim como garantir o emprego de sistemas adesivos de boa procedência e um efetivo isolamento absoluto.

É evidente que o sucesso da zircônia vem sendo confirmado pelo avanço rápido das suas gerações. Suas propriedades mecânicas e óticas proporcionam uma interessante versatilidade laboratorial que, aliada às tecnologias CAD/CAM, garante procedimentos cada vez mais rápidos, precisos e reprodutíveis.

Enquanto a zircônia de primeira geração é empregada de forma eficiente para a confecção de infraestruturas e para o mascaramento de substratos escurecidos, facetas cerâmicas e coroas monolíticas podem ser obtidas pelo emprego de zircônias translúcidas (terceira geração) e graduadas (quarta geração).

Entretanto, é fundamental que o emprego desses materiais e técnicas esteja fundamentado na ciência. Para isso, leitura e atualização constantes são as ferramentas de informação mais confiáveis.

 

Referências
1. Kelly JR, Denry I. Stabilized zirconia as a structural ceramic: an overview. Dent Mater 2008;24:289-98.
2. Zhang Y, Lawn BR. Novel zirconia materials in dentistry. J Dent Res 2018;97:140-7.
3. Tong H, Tanaka CB, Kaizer MR, Zhang Y. Characterization of three commercial Y-TZP ceramics produced for their high-translucency, high-strength and high-surface area. Ceram Int 2016;42:1077-85.
4. Zhang Y. Making yttria-stabilized tetragonal zirconia translucent. Dent Mater 2014;30:1195-203.
5. Sulaiman TA, Abdulmajeed AA, Donovan TE, Cooper LF, Walter R. Fracture rate of monolithic zirconia restorations up to 5 years: a dental laboratory survey. J Prosthet Dent 2016;116:436-9.
6. Kawasaki A, Watanabe R. Concept and P/M fabrication of functionally gradient materials. Ceramics Int 1997;23:73-83.
7. Chevalier J, Gremillard L, Virkar AV, Clarke DR. The tetragonal-monoclinic transformation in zirconia: lessons learned and future trends. J Am Ceram Soc 2009;92:1901-20.
8. Koenig V, Wulfman CP, Derbanne MA, Dupont NM, Le Goff SO, Tang ML et al. Aging of monolithic zirconia dental prostheses: protocol for a 5-year prospective clinical study using ex vivo analyses. Contemp Clin Trials Commun 2016;17:25-32.
9. Ortop A, Kihl A, Carlsson GE. A 5-year retrospective study of survival of zirconia single crowns fitted in a private clinical setting. J Dent 2012;40:527-30.
10. Sailer I, Pjetursson BE, Zwahlen M, Hämmerle CH. A systematic review of the survival and complication rates of all-ceramic and metal-ceramic reconstructions after an observation period of at least 3 years. Part II: fixed dental prostheses. Clin Oral Implants Res 2007;18:86-96.
11. Özcan M, Bernasconi M. Adhesion to zirconia used for dental restorations: a systematic review and meta-analysis. J Adhes Dent 2015;17:7-26.

 

Variáveis de usabilidade

Welson Pimentel
Mestre em Prótese Dental, especialista em Periodontia, em DTM e em Dor Orofacial, pós-graduado em Cirurgia Avançada em Implantodontia pela Ucla (EUA); Coordenador do curso de Implantodontia e Prótese sobre Implante da ABO São Gonçalo/RJ.

Flavio Rosa de Oliveira
Cirurgião-dentista; Especialista em Prótese Dental pela APCD/JP.

Rodrigo Tiossi
Mestre e doutor em Reabilitação Oral pela Forp/USP; Professor adjunto da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

 

O uso da zircônia na Odontologia aumentou consideravelmente após o desenvolvimento das tecnologias digitais e dos sistemas CAD/CAM para a fabricação das restaurações dentárias. A translucidez do material influencia diretamente no resultado e sucesso estético da restauração. Inicialmente, o uso de restaurações à base de zircônia era limitado pela pouca translucidez do material e pela necessidade de cobertura com cerâmicas tradicionais1. Além disso, a delaminação da porcelana de cobertura é um frequente problema encontrado nessas restaurações. Zircônias com maior translucidez foram então recentemente introduzidas, possibilitando a fabricação de coroas estéticas em zircônia monolítica2.

Estudos anteriores2-3 relataram que coroas monolíticas em zircônia apresentam excelente resistência à fratura, mesmo sem a presença da cobertura em cerâmica feldspática. Também já foi previamente reportado2,4 que a resistência à fratura da zircônia monolítica com espessura de 1 mm é equivalente à de uma coroa metalocerâmica, sendo que a espessura recomendada para coroas totais é de 0,5 mm2,4. Desta maneira, coroas monolíticas fabricadas em zircônia poderiam ser excelentes opções para restaurações estéticas com preparos conservadores2, uma vez que seria necessária a redução oclusal de apenas 1 mm na face oclusal associada à redução marginal de 0,5 mm.

A translucidez apresentada por coroas monolíticas fabricadas em zircônia é adequada nas espessuras previamente citadas, o que possibilita resultados estéticos satisfatórios2. Contudo, para otimizar o resultado da restauração, é necessária a caracterização extrínseca de coroas monolíticas fabricadas em zircônia2. Dois métodos estão disponíveis atualmente para proporcionar durabilidade e estética favorável para restaurações fabricadas em zircônia monolítica2. O primeiro é caracterizar extrinsecamente a coroa monolítica em zircônia, possibilitando estética adequada. A segunda opção é utilizar o desenho híbrido, em que as faces lingual/palatina e oclusal são finalizadas em zircônia, enquanto as faces vestibulares e incisais são fabricadas com o espaço necessário para a aplicação posterior da cerâmica de cobertura.

Para melhorar a estética final das restaurações fabricadas em zircônia monolítica, aumentando sua translucidez, cinco técnicas foram desenvolvidas ao longo dos últimos anos1. A primeira delas aumentou o tamanho dos grãos de zircônia, gerando maior contraste proporcionado pelo material. Tal alteração estrutural, contudo, reduz sua resistência à fratura. Outro método desenvolvido, e aparentemente mais efetivo, seria a redução no tamanho dos grãos de zircônia, sendo que, para uma restauração com 1,3 mm de espessura, grãos de tamanho de 82 nm proporcionariam translucidez semelhante à porcelana feldspática. O terceiro método consiste no aumento da proporção do componente estabilizador (ítria), aumentando a fase cúbica do material e diminuindo o tamanho dos grãos, aumentando assim a translucidez do material. O quarto método seria a redução das impurezas na zircônia, uma vez que impurezas de 0,05% proporcionadas por grãos com tamanho entre 200-400 nm reduziriam significativamente a translucidez da zircônia. Por fim, o aumento da temperatura de sinterização da zircônia também poderia aumentar sua translucidez e melhorar o resultado final estético1.

Outro aspecto importante da zircônia, agora em comparação ao dissilicato de lítio, é que as restaurações monolíticas de zircônia podem ser fabricadas com espessura reduzida (cerca de 0,5 mm a 1 mm), possibilitando restaurações mais conservadoras5. Aumentar a espessura da zircônia monolítica de 0,6 mm para 1,5 mm irá dobrar sua resistência à fratura4. Restaurações em zircônia monolítica com 1 mm de espessura apresentam resistência à fratura semelhante às restaurações metalocerâmicas com 1,5 mm de espessura4. Contudo, as restaurações de dissilicato de lítio apresentam maior translucidez quando comparadas às restaurações monolíticas feitas em zircônia, levando a melhores resultados estéticos2. Entretanto, restaurações cerâmicas com elevada translucidez não são indicadas para todos os casos clínicos. A indicação de cerâmicas com menor translucidez deve ser avaliada quando forem restaurados dentes com alterações severas de cor ou quando implantes dentários estiverem associados a componentes metálicos2. Nestes casos, tornam-se necessários materiais com maior opacidade que possam mascarar de forma mais efetiva o substrato2,5.

Uma preocupação com o uso de materiais muito duros em restaurações é o desgaste e abrasão do elemento antagonista. A dureza superficial e o módulo de elasticidade da zircônia são, aproximadamente, duas e três vezes maior do que a da porcelana feldspática1. Contudo, não há correlação entre a dureza do material e a abrasão da dentição antagonista6. Além disso, a superfície polida da zircônia monolítica translúcida apresenta menor abrasividade, enquanto a zircônia jateada e posteriormente glazeada apresenta a maior abrasão do esmalte no dente antagonista7.

Sendo assim, aparentemente, a zircônia monolítica polida causa menor abrasão do dente antagonista, em comparação à cerâmica de cobertura tradicional e ao dissilicato de lítio1,8. Uma grande preocupação no uso de restaurações em zircônia é sua reduzida capacidade de adesão aos materiais usados para cimentação. As recomendações indicadas para melhorar a adesão incluem1: abrasão com partículas de óxido de alumínio, cobertura triboquímica de sílica e posterior uso de agente silano, uso de cimentos resinosos que contenham o monômero MDP, infiltração de sílica pela técnica sol-gel, infiltração de cerâmica feldspática, método de infiltração-adesão seletiva, uso da técnica glaze-on e uso de silano aquecido1.

Os materiais resinosos com presa dual são a escolha mais popular para a cimentação das restaurações à base de zircônia e podem ser utilizados com segurança1. As Figuras 1 a 8 apresentam diferentes exemplos de planejamentos digitais e restaurações dentárias fabricadas em zircônia monolítica (as imagens foram retiradas de artigos previamente publicados e de autoria dos autores deste texto)5,9-10.

Figura 1 – Planejamento digital da restauração.

 

Figura 2 – Aspecto final da restauração fabricada em zircônia monolítica.

 

Figura 3 – Relacionamento interoclusal previsto para a restauração durante o planejamento digital.

 

Figura 4 – Modelo tridimensional impresso com intermediário protético e restauração final fabricados por método CAD/CAM.

 

Figura 5 – Aspecto final da restauração. 

 

Figura 6 – Componente protético implantossuportado do tipo interface de zircônia.

 

Figuras 7 – A. Planejamento digital da restauração. B. Planejamento final da restauração.

 

Figura 8 – Aspecto final da restauração.

 

Referências
1. Ghodsi S, Jafarian Z. A review on translucent zirconia. Eur J Prosthodont Restor Dent 2018;26(2):62-74.
2. Harada K, Raigrodski AJ, Chung KH, Flinn BD, Dogan S, Mancl LA. A comparative evaluation of the translucency of zirconias and lithium disilicate for monolithic restorations. J Prosthet Dent 2016.
3. Ji MK, Park JH, Park SW, Yun KD, Oh GJ, Lim HP. Evaluation of marginal fit of 2 CAD-CAM anatomic contour zirconia crown systems and lithium disilicate glass-ceramic crown. J Adv Prosthodont 2015;7(4):271-7.
4. Sun T, Zhou S, Lai R, Liu R, Ma S, Zhou Z et al. Load-bearing capacity and the recommended thickness of dental monolithic zirconia single crowns. J Mech Behav Biomed Mater 2014;35:93-101.
5. Pimentel W, Pacheco ND, de Oliveira FR, Tiossi R. Zircônia translúcida associada ao planejamento digital de restaurações monolíticas implantossuportadas. PróteseNews 2017;4(1):76-82.
7. Stawarczyk B, Ozcan M, Schmutz F, Trottmann A, Roos M, Hammerle CH. Two-body wear of monolithic, veneered and glazed zirconia and their corresponding enamel antagonists. Acta Odontol Scand 2013;71(1):102-12.
8. Preis V, Behr M, Kolbeck C, Hahnel S, Handel G, Rosentritt M. Wear performance of substructure ceramics and veneering porcelains. Dent Mater 2011;27(8):796-804.
9. Pimentel W, Teixeira ML, Oliveira FR, Tiossi R. Planejamento e fabricação de restaurações implantossuportadas com processos odontológicos digitais. ImplantNews 2016;12(3):357-63.
10. Pimentel W, Guimarães RLC, de Oliveira FR, Tiossi R. Restauração estética implantossuportada de dente anterior utilizando pilar protético com interface de titânio e zircônia. PróteseNews 2018;5(3):296-306.

 

 

Desmembrando a zircônia


Edmara T. P. Bergamo
Especialista em Prótese Dental pela Universidade Estadual de Maringá; Mestra e doutora em Clínica Odontológica com ênfase em Prótese Dental pela FOP/Unicamp; Pós-doutoranda em Ciências Odontológicas Aplicadas com área de concentração em Reabilitação Oral pela FOB/USP.

Ernesto B. Benalcázar Jalkh
Especialista em Prótese e Implantodontia pelo Centro de Pós-graduação em Odontologia da Faculdade Ingá (Uningá/Bauru); Mestre e doutorando em Ciências Odontológicas Aplicadas com área de concentração em Reabilitação Oral pela FOB/USP.

Adolfo C. O. Lopes
Especialista em Prótese Dentária pelo Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da USP; Mestre em Reabilitação Oral pela FOB/USP.

Ilana S. Ramalho
Mestra em Ciências Odontológicas Aplicadas com área de concentração em Reabilitação Oral e doutoranda em Reabilitação Oral pela FOB/USP; Doutorado sanduíche como visiting scientist na Universidade de Nova York, departamento de Biomateriais e Biomimética.

Everardo N. S. de Araújo-Júnior
Especialista em Prótese Dentária pela Profis (Bauru/SP); Especialista em Implantodontia pela Fousp; Mestre em Ciências Odontológicas Aplicadas com área de concentração em Biologia Oral e doutorando em Reabilitação Oral pela FOB/USP.

Estevam A. Bonfante
Mestre, doutor e pós-doutorado em Reabilitação Oral, e professor assistente no Depto. de Prótese e Periodontia da FOB/USP; Doutorado sanduíche como visiting scientist na Universidade de Nova York, departamento de Biomateriais e Biomimética.

 

Durante décadas, as restaurações metalocerâmicas foram elencadas como o tratamento de primeira eleição na área reabilitadora1. Apesar dos altos índices de sucesso, mesmo em áreas com maior demanda de carga mastigatória (> 95%, após cinco e dez anos em função), metalocerâmicas apresentam desvantagens estéticas significativas, como: aparecimento da cinta metálica, pigmentação gengival e dificuldade em mimetizar a translucidez do dente natural2-7. Nesse contexto, os sistemas totalmente cerâmicos representam a opção mais promissora para substituição de restaurações com infraestruturas metálicas, devido às características favoráveis de biocompatibilidade, inércia química, baixa condutividade térmica e elétrica, resistência ao desgaste, além da capacidade de reprodução dos complexos fenômenos óticos observados na estrutura dental natural8-10. Ademais, o aprimoramento tecnológico na área de processamento de novos materiais e fabricação de próteses tem viabilizado o desenvolvimento de sistemas cerâmicos mais resistentes para atender a demanda funcional da cavidade oral11-12, dentre os quais se destacam os sistemas à base de zircônia.

A indicação de sistemas à base de zircônia tornou-se bastante difundida em Odontologia, a partir da década de 1990, com a conformação de blocos para usinagem em CAD/CAM. De natureza polimórfica, a zircônia apresenta uma variação na estrutura cristalina de acordo com a temperatura: monoclínica (m, < 1.170°C), tetragonal (t, entre 1.170 e 2.370°C) e cúbica (c, > 2.370°C)13-17. Para viabilizar a utilização e o processamento de peças protéticas, a zircônia deve se manter estável na fase tetragonal em temperatura ambiente, o que só é possível através da adição de óxidos estabilizadores na zircônia pura, como o óxido de ítrio (Y2O3) a 3 mol%14-16. De fato, a zircônia tetragonal policristalina estabilizada por ítria (3Y-TZP) fica metaestável em temperatura ambiente e, mediante situações de acúmulo de tensões, como ao redor de trincas, a transformação de fase t-m é desencadeada e acompanhada pelo aumento de volume de 3-5%13-16,18. A alteração dimensional devido à transformação de fase suscita uma tensão de compressão no local que limita a propagação de trincas e aumenta a tenacidade à fratura do material (Figura 1). Este fenômeno é conhecido como tenacificação por transformação de fase e é o mecanismo responsável pelas propriedades mecânicas excepcionais da 3Y-TZP (σ: 900-1.300 MPa, Kic: 6-9 MPa m1/2), as maiores já apresentadas por um sistema restaurador cerâmico13-16,19.

Figura 1 – Desenho esquemático do fenômeno de tenacificação por transformação de fase t-m.

 

Figuras 2 – Infraestruturas de coroas e próteses parciais fixas de zircônia posteriormente estratificadas com cerâmica vítrea. Caso clínico realizado na clínica de pós-graduação em Reabilitação Oral da FOB/USP (Orientação: Prof. Dr. Luiz Fernando Pegoraro; TPD Márcia Portalupi).


Sistemas à base de zircônia estabilizada têm utilização na área de Reabilitação Oral, brangendo praticamente todos os cenários restauradores, inclusive as próteses fixas do tipo protocolo sobre implantes e intermediários protéticos (Figuras 2)2-3,6-7,20-22. Coroas totais fabricadas com sistemas à base de 3Y-TZP têm apresentado índices de sobrevida semelhantes aos das metalocerâmicas (> 93% após cinco anos em função)2-3,23-25. Da mesma forma, dados representativos de PPFs demonstram o caráter promissor dessa modalidade reabilitadora (∼90% após cinco anos em função)6-7,26-28. Apesar dos altos índices de sobrevida, uma maior taxa de complicação clínica tem sido reportada para reabilitações à base de 3Y-TZP, quando comparadas com metalocerâmicas, sendo a fratura na cerâmica de cobertura (∼3 e 20% após cinco anos, para coroas e PPFs, respectivamente) e a descimentação (∼5% em coroas após cinco anos) as complicações mais frequentemente citadas6-7,26,29-30. Tal cenário é ainda mais crítico para próteses implantossuportadas, visto que o índice de fratura na porcelana tem sido estimado em aproximadamente 3-9% para coroas, 22-50% para PPFs e 34,8% para prótese do tipo protocolo, após cinco anos em função24-25,27-28. Algumas das diferenças entre reabilitações implantossuportadas, quando comparadas às convencionais sobre dentes, envolvem a usência do ligamento periodontal e mecanorreceptores que afetam a resiliência, absorção e dissipação de forças, e as tornam mais propensas às complicações técnicas23,31 (Tabela 1).

TABELA 1 – DESEMPENHO CLÍNICO DE REABILITAÇÕES FABRICADAS COM SISTEMAS À BASE DE 3Y-TZP
***Todas as falhas requerendo troca envolveram fratura da infraestrutura, porcentagem não contabilizada.


O alto índice de fratura evidenciado na cerâmica de cobertura e estratégias desenvolvidas para aumentar o grau de translucidez dos sistemas policristalinos têm impulsionado a confecção de restaurações anatômicas de peça única, chamadas monolíticas, com posterior aplicação de líquidos de coloração e glaze (maquiagem) para potencializar a mimetização dos tecidos dentais (por exemplo, fluorescência)32-34. Próteses monolíticas apresentam vantagens clínicas bastante significativas quanto à simplificação do processo de fabricação, ausência de estresse residual em decorrência da interface infraestrutura e cerâmica de cobertura, e, quase sempre, resistência à fratura superior às peças convencionais35-37.

Devido à maior integridade estrutural apresentada por sistemas de peça única, um menor desgaste da estrutura dental hígida tem sido proposto e gerado resultados promissores no conceito de restaurações minimamente invasivas38-40. As estratégias utilizadas para melhorar a translucidez da 3Y-TZP se deram, primeiramente, através do aumento da sua densidade, com temperaturas de sinterização mais altas, bem como a redução da concentração da alumina utilizada como aditivo41. No entanto, o cristal de zircônia tetragonal é birrefringente, ou seja, apresenta índices de refração distintos para diferentes direções cristalográficas e, consequentemente, leva a umespalhamento do feixe de luz nos contornos de grãos que limita a sua translucidez42. Nesse contexto, sistemas à base de zircônia cúbica (comumente > 50%) foram propostos através do aumento do conteúdo de ítria (4 a 5 mol%)43. Apesar desta estratégia ter propiciado uma melhora significativa da translucidez, ela limita a tenacificação por transformação de fase t-m e influencia negativamente as propriedades mecânicas do sistema, restringindo seu espectro de indicação42-43. Outra alternativa tem sido proposta através da redução do tamanho de grão da 3Y-TZP, que proporcionaria um balanço favorável entre translucidez e resistência à fratura, entretanto, a fabricação de estruturas nanocristalinas de alta qualidade ainda é um desafio para a ciência de biomateriais32.

Uma perspectiva importante a ser abordada quanto à indicação de restaurações monolíticas de zircônia é o contato do material com o complexo ambiente oral. A metaestabilidade da Y-TZP e transformação t-m, previamente citada por aumentar a tenacidade à fratura, também pode ser espontaneamente desencadeada na presença de umidade em temperaturas relativamente baixas, fenômeno conhecido como degradação em baixa temperatura (DBT)46. Como consequências do processo de degradação, tem sido reportado o aumento da rugosidade superficial e a formação de microtrincas que podem levar à perda progressiva das propriedades mecânicas, mesmo em composições de zircônias translúcidas (5 mol% Y2O3), Figura 347-53.

Figura 3 – Desenho esquemático do fenômeno de tenacificação por transformação de fase t-m (esquemático adaptado)53.

 

Dados recentes de estudos in situ demonstram a presença de transformação t-m após 60 e 100 dias de envelhecimento intraoral54-55. Assim, a DBT tem sido enumerada como um dos fatores que podem influenciar negativamente a performance de reabilitações à base de zircônia, visto que estudos clínicos de longo prazo (dez anos) têm reportado um aumento do número de infraestruturas fraturadas (∼5%) em relação às metalocerâmicas (0%)26. Por fim, outro impacto clínico do envelhecimento hidrotérmico é o aumento da translucidez da zircônia e o provável comprometimento do resultado estético52. Vale ressaltar que no momento não há evidência científica que corrobore a indicação clínica das zircônias monolíticas para próteses parciais fixas56.

Contudo, sistemas à base de zircônia são seletivamente indicados para reabilitação oral sob aspectos biológicos e funcionais. Cabe ao cirurgião-dentista se manter informado quanto às indicações e limitações de cada sistema, a fim de conduzir um plano de tratamento meticuloso, extraindo, junto ao técnico em prótese dentária, o máximo proveito do material e assegurando longevidade à reabilitação.

Em termos de perspectivas futuras, o uso de compósitos (misturas) alumina-zircônia em diferentes concentrações (ATZ e ZTA) parece oferecer um excelente balanço entre as propriedades mecânicas e ópticas, bem como resistência à degradação hidrotérmica. O desenvolvimento destes materiais em nossa equipe de pesquisa tem mostrado resultados promissores para uso em infraestruturas, que permitirão aos técnicos em prótese a estratificação artística de porcelanas simulando a estrutura dentária57. Ainda, a utilização de sistemas bioinspirados através de uma abordagem com infiltração graduada de vidro tem despontado como um possível caminho para alcançar o sucesso estético-funcional de reabilitações à base de sistemas policristalinos58-61.
 

Referências
1. Silva LHD, Lima E, Miranda RBP, Favero SS, Lohbauer U, Cesar PF. Dental ceramics: a review of new materials and processing methods. Brazilian oral research 2017;31:e58.
2. Sailer I, Makarov NA, Thoma DS, Zwahlen M, Pjetursson BE. All-ceramic or metal-ceramic tooth-supported fixed dental prostheses (FDPs)? A systematic review of the survival and complication rates. Part I: single crowns (SCs). Dental materials: official publication of the Academy of Dental Materials 2015;31:603-23.
3. Sailer I, Makarov NA, Thoma DS, Zwahlen M, Pjetursson BE. Corrigendum to “All-ceramic or metal-ceramic tooth-supported fixed dental prostheses (FDPs)? A systematic review of the survival and complication rates. Part I: single crowns (SCs)”. Dental Materials 2015;31(6):603-23 (official publication of the Academy of Dental Materials 2016;32:e389-e90).
4. Walton TR. The up to 25-year survival and clinical performance of 2,340 high gold-based metal-ceramic single crowns. Int J Prosthodont 2013;26:151-60.
5. Wassell RW, Walls AW, Steele JG. Crowns and extra-coronal restorations: materials selection. Br Dent J 2002;192:199-211.
6. Pjetursson BE, Sailer I, Makarov NA, Zwahlen M, Thoma DS. All-ceramic or metal-ceramic tooth-supported fixed dental prostheses (FDPs)? A systematic review of the survival and complication rates. Part II: multiple-unit FDPs. Dental materials: official publication of the Academy of Dental Materials 2015;31:624-39.
7. Pjetursson BE, Sailer I, Makarov NA, Zwahlen M, Thoma DS. Corrigendum to “All-ceramic or metal-ceramic tooth-supported fixed dental prostheses (FDPs)? A systematic review of the survival and complication rates. Part II: multiple-unit FDPs”. Dental Materials 2015;31(6):624-39 (official publication of the Academy of Dental Materials 2017;33:e48-e51).
8. Anusavice KS, Rawls HR, Shen C. Phillips’ Science of Dental Materials. Elsevier Inc., 2013.
9. Lawson NC, Bansal R, Burgess JO. Wear, strength, modulus and hardness of CAD/CAM restorative materials. Dent Mater 2016;32:e275-e83.
10. Sen N, Us YO. Mechanical and optical properties of monolithic CAD-CAM restorative materials. J Prosthet Dent 2018;119:593-9.
11. Miyazaki T, Hotta Y, Kunii J, Kuriyama S, Tamaki Y. A review of dental CAD/CAM: current status and future perspectives from 20 years of experience. Dent Mater J 2009;28:44-56.
12. Silva NR, Witek L, Coelho PG, Thompson VP, Rekow ED, Smay J. Additive CAD/CAM process for dental prostheses. J Prosthodont 2011;20:93-6.
13. Garvie RC, Hannink RH, Pascoe RT. Ceramic steel. Nature 1975;258:703-4.
14. Hannink RHJ, Kelly PM, Muddle BC. Transformation toughening in zirconia-containing ceramics. Journal of the American Ceramic Society 2000;83:461-87.
15. Piconi C, Maccauro G. Zirconia as a ceramic biomaterial. Biomaterials 1999;20:1-25.
16. Lughi V, Sergo V. Low temperature degradation aging of zirconia: a critical review of the relevant aspects in dentistry. Dent Mater 2010;26:807-20.
17. Chevalier J, Gremillard L, Deville S. Low-temperature degradation of zirconia and implications for biomedical implants. Annu Rev Mater Res. 2007;37:1-32.
18. Bergamo E, da Silva WJ, Cesar PF, Del Bel Cury AA. Fracture load and phase transformation of monolithic zirconia crowns submitted to different aging protocols. Oper Dent 2016;41:E118-E30.
19. Fischer H, Rentzsch W, Marx R. R-curve behavior of dental ceramic materials. J Dent Res 2002;81:547-51.
20. Guess PC, Schultheis S, Bonfante EA, Coelho PG, Ferencz JL, Silva NR. All-ceramic systems: laboratory and clinical performance. Dental clinics of North America 2011;55:333-52, ix.
21. Larsson C, Vult Von Steyern P. Implant-supported full-arch zirconia-based mandibular fixed dental prostheses. Eight-year results from a clinical pilot study. Acta odontologica Scandinavica 2013;71:1118-22.
22. Ferrari M, Vichi A, Zarone F. Zirconia abutments and restorations: from laboratory to clinical investigations. Dental materials: official publication of the Academy of Dental Materials 2015;31:e63-76.
23. Le M, Papia E, Larsson C. The clinical success of tooth- and implant-supported zirconia-based fixed dental prostheses. A systematic review. J Oral Rehabil 2015;42:467-80.
24. Pjetursson BE, Valente NA, Strasding M, Zwahlen M, Liu S, Sailer I. A systematic review of the survival and complication rates of zirconia-ceramic and metal-ceramic single crowns. Clinical oral implants research 2018;29(suppl.16):199-214.
25. Rabel K, Spies BC, Pieralli S, Vach K, Kohal RJ. The clinical performance of all-ceramic implant-supported single crowns: a systematic review and meta-analysis. Clinical oral implants research 2018;29(suppl.18):196-223.
26. Sailer I, Balmer M, Husler J, Hammerle CHF, Kanel S, Thoma DS. 10-year randomized trial (RCT) of zirconia-ceramic and metal-ceramic fixed dental prostheses. J Dent 2018;76:32-9.
27. Pieralli S, Kohal RJ, Rabel K, von Stein-Lausnitz M, Vach K, Spies BC. Clinical outcomes of partial and full-arch all-ceramic implant-supported fixed dental prostheses. A systematic review and meta-analysis. Clinical oral implants research 2018;29(suppl.18):224-36.
28. Sailer I, Strasding M, Valente NA, Zwahlen M, Liu S, Pjetursson BE. A systematic review of the survival and complication rates of zirconia-ceramic and metal-ceramic multiple-unit fixed dental prostheses. Clinical oral implants research 2018;29(suppl.16):184-98.
29. Miura S, Kasahara S, Yamauchi S, Okuyama Y, Izumida A, Aida J. Clinical evaluation of zirconia-based all-ceramic single crowns: an up to 12-year retrospective cohort study. Clin Oral Investig 2018;22:697-706.
30. Stefanescu C, Ionita C, Nechita V, Drafta S, Oancea L, Petre A. Survival rates and complications for zirconia-based fixed dental prostheses in a period up to 10 years: a systematic review. Eur J Prosthodont Restor Dent 2018;26:54-61.
31. Wittneben JG, Buser D, Salvi GE, Burgin W, Hicklin S, Bragger U. Complication and failure rates with implant-supported fixed dental prostheses and single crowns: a 10-year retrospective study. Clin Implant Dent Relat Res 2014;16:356-64.
32. Zhang Y. Making yttria-stabilized tetragonal zirconia translucent. Dent Mater 2014;30:1195-203.
33. Ebeid K, Wille S, Hamdy A, Salah T, El-Etreby A, Kern M. Effect of changes in sintering parameters on monolithic translucent zirconia. Dent Mater 2014;30:e419-24.
34. Gamborena I, Blatz M. Fluorescence – mimicking nature for ultimate esthetics in Implant Dentistry. Quintessence International 2011:7-23.
35. Beuer F, Stimmelmayr M, Gueth JF, Edelhoff D, Naumann M. In vitro performance of full-contour zirconia single crowns. Dent Mater 2012;28:449-56.
36. Baldassarri M, Stappert CF, Wolff MS, Thompson VP, Zhang Y. Residual stresses in porcelain-veneered zirconia prostheses. Dent Mater 2012;28:873-9.
37. Guess PC, Zavanelli RA, Silva NR, Bonfante EA, Coelho PG, Thompson VP. Monolithic CAD/CAM lithium disilicate versus veneered Y-TZP crowns: comparison of failure modes and reliability after fatigue. Int J Prosthodont 2010;23:434-42.
38. Abu-Izze FO, Ramos GF, Borges ALS, Anami LC, Bottino MA. Fatigue behavior of ultrafine tabletop ceramic restorations. Dent Mater 2018;34:1401-9.
39. Silva NR, Bonfante EA, Martins LM, Valverde GB, Thompson VP, Ferencz JL et al. Reliability of reduced-thickness and thinly veneered lithium disilicate crowns. J Dent Res 2012;91:305-10.
40. Weigl P, Sander A, Wu Y, Felber R, Lauer HC, Rosentritt M. In-vitro performance and fracture strength of thin monolithic zirconia crowns. J Adv Prosthodont 2018;10:79-84.
41. Ottoni R, Borba M. Comportamento mecânico e clínico de próteses monolíticas à base de zircônia: revisão de literatura. Cerâmica 2018;64:547-52.
42. Krell AH, Hutzler T, Klimke J. Transparent ceramics for structural applications: part 1. Physics of light transmission and technological consequences. Ceramic Forum International 2007;84:41-50.
43. Yan J, Kaizer MR, Zhang Y. Load-bearing capacity of lithium disilicate and ultra-translucent zirconias. J Mech Behav Biomed Mater 2018;88:170-5.
44. Zhang Y, Lawn BR. Novel zirconia materials in Dentistry. Journal of Dental Research 2017:22034517737483.
45. Mao L, Kaizer MR, Zhao M, Guo B, Song YF, Zhang Y. Graded ultra-translucent zirconia (5Y-PSZ) for strength and functionalities. J Dent Res 2018;97:1222-8.
46. Kobayashi KK, Kuwajima H, Masaki T. Phase change and mechanical properties of ZrOz-Y2O3 solid electrolyte after ageing. Solid State Ionics 1981;3/4:489-93.
47. Kim HT, Han JS, Yang JH, Lee JB, Kim SH. The effect of low temperature aging on the mechanical property & phase stability of Y-TZP ceramics. J Adv Prosthodont 2009;1:113-7.
48. Flinn BD, Raigrodski AJ, Singh A, Mancl LA. Effect of hydrothermal degradation on three types of zirconias for dental application. The Journal of prosthetic dentistry 2014;112:1377-84.
49. Kohorst PB, Strempel L, Stiesch J, Hassel M, Bach T, Hübsch FW. Low-temperature degradation of different zirconia ceramics for dental applications. Acta Biomaterialia 2012;8:1213-20.
50. Ban S, Sato H, Suehiro Y, Nakanishi H, Nawa M. Biaxial flexure strength and low temperature degradation of Ce-TZP/Al2O3 nanocomposite and Y-TZP as dental restoratives. J Biomed Mater Res B Appl Biomater 2008;87:492-8.
51. Pereira GKR, Venturini AB, Silvestri T, Dapieve KS, Montagner AF, Soares FZM et al. Low-temperature degradation of Y-TZP ceramics: a systematic review and meta-analysis. J Mech Behav Biomed Mater 2015;55:151-63.
52. Kim HK, Kim SH. Effect of hydrothermal aging on the optical properties of precolored dental monolithic zirconia ceramics. The Journal of prosthetic dentistry 2018.
53. Chevalier J. What future for zirconia as a biomaterial? Biomaterials 2006;27:535-43.
54. Miragaya LM, Guimaraes RB, Souza R, Santos Botelho GD, Antunes Guimaraes JG, da Silva EM. Effect of intra-oral aging on t-->m phase transformation, microstructure, and mechanical properties of Y-TZP dental ceramics. J Mech Behav Biomed Mater 2017;72:14-21.
55. Borges MAP, Alves MR, Santos HESS, Anjos MJ, Elias CN. Oral degradation of Y-TZP ceramics. Ceramics International 2019.
56. Sailer I, Muhlemann S, Kohal RJ, Spies BC, Pjetursson BE, Lang NP et al. Reconstructive aspects: summary and consensus statements of group 3. The 5(th) EAO Consensus Conference 2018. Clinical oral implants research 2018;29(suppl.18):237-42.
57. Lopes ACO, Coelho PG, Witek L, Jalkh EBB, Gênova LA, Monteiro KN et al. Nanomechanical and microstructural characterization of a zirconia-toughened alumina composite after aging. Ceramics International 2019.
58. Ramos NC, Kaizer MR, Campos TMB, Kim J, Zhang Y, Melo RM. Silica-based infiltrations for enhanced zirconia-resin interface toughness. Journal of Dental Research. 2019:22034518819477.
59. Reis A, Ramos GF, Campos TMB, Prado P, Vasconcelos G, Borges ALS et al. The performance of sol-gel silica coated Y-TZP for veneered and monolithic dental restorations. Journal of the mechanical behavior of biomedical materials 2019;90:515-22.
60. Toyama DY, Alves LMM, Ramos GF, Campos TMB, de Vasconcelos G, Borges ALS et al. Bioinspired silica-infiltrated zirconia bilayers: strength and interfacial bonding. Journal of the mechanical behavior of biomedical materials 2019;89:143-9.
61. Zhang Y, Kim JW. Graded structures for damage resistant and aesthetic all-ceramic restorations. Dental materials: official publication of the Academy of Dental Materials 2009;25:781-90.
 

Assuntos Relacionados:
zircônia; materiais cerâmicos; prótese fixa; prótese sobre implante; restauração unitária; restauração múltipla; CAD/CAM; reabilitação oral


E-mail
Cadastre seu e-mail e receba nossas Newsletters