INPN - O portal das revistas ImplatNews e PerioNews
 
Compartilhe  Compartilhe Twitter Imprimir Indique a um amigo
Publicado em: 10/08/2012 16h37

Estudo avalia eficácia de matriz colágena suína em tratamento de retração gengival

Pesquisadores da Forp demonstram o uso desta nova matriz associada à técnica do retalho estendido para o recobrimento radicular.

Diversas técnicas já foram descritas para solucionar casos de retração gengival, sendo frequentemente indicado o uso de enxerto de tecido conjuntivo subepitelial (ETCS) que, além de aumentar a espessura e a largura do tecido queratinizado, é capaz de aumentar a previsibilidade do procedimento. Entretanto, a remoção deste tecido para a realização do enxerto gera desconforto e morbidade ao paciente.

Recentemente, foi lançado um substituto para o ETCS, desenvolvida a partir de uma matriz colágena de origem suína. Com base nisso, pesquisadores da Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (Forp) apresentaram um relato de caso com o objetivo de demonstrar o uso desta nova matriz associada à técnica do retalho estendido para o recobrimento radicular.

O estudo "Tratamento de retração gengival através da técnica de retalho estendido associado ao uso do Mucograft" foi conduzido por Danilo Maeda Reino, Luciana Prado Maia e Patrícia Garani Fernandes, com a orientação de Arthur Belém Novaes Júnior. O trabalho foi publicado na edição maio/junho da revista PerioNews, justamente com o objetivo de demonstrar que a matriz colágena de origem suína pode ser uma alterantiva eficaz de ETCS.

Confira a entrevista da equipe do INPN com o pesquisador Danilo Maeda Reino.

A utilização da matriz colágena suína foi eficaz no tratamento de retração gengival?

Danilo Maeda Reino - O uso do Mucograft foi eficaz em todos os casos tratados. Embora o estudo ainda não esteja completo, já foram operados mais da metade do total de amostras de pacientes, e já temos pacientes que completaram um ano de tratamento. Os resultados preliminares nos permitem comprovar que o produto é eficaz para o tratamento de retrações gengivais com a manutenção do resultado superior a um ano, com ótima integração aos tecidos periodontais, sem gerar diferença de cor ou textura.

Quais foram as principais conclusões do estudo?

Reino - Os resultados preliminares já mostram que a técnica de retalho estendido (técnica teste), quando comparada com a técnica padrão (Langer&Langer), apresenta resultados superiores, por apresentar um retalho mais amplo, permitindo melhor nutrição da matriz, sem exposição desta, o que pode ser aceito como um dos fatores que permitem a obtenção de maior recobrimento radicular.

Por que a escolha do tema?

Reino - Até o momento somente um estudo está disponível referente ao tema de recobrimento radicular com a matriz Mucograft (McGuire & Scheyer 2010; J Periodontol 81:1108-17). Este estudo comparou recobrimento radicular com a técnica padrão (Langer&Langer), sendo usado em um lado enxerto de tecido conjuntivo autógeno e do outro a matriz Mucograft. Os resultados mostraram resultado levemente superior para o enxerto de tecido conjuntivo. Acreditamos o melhor resultado do enxerto autógeno possa ser devido ao mesmo possuir células e a matriz ser acelular e avascularizada, sendo dependente da nutrição do retalho para um bom resultado clínico.  Desta forma, a técnica escolhida pelos autores pode não ser indicada, pois as incisões relaxantes próximas ao biomaterial diminuem a nutrição do mesmo, o que poderia prejudicar os resultados no recobrimento radicular e facilitar a exposição da matriz. Assim, uma técnica que permita um retalho mais amplo com incisões mais distantes do biomaterial não comprometeria a nutrição do produto, aumentando a taxa de sucesso. E isto tem sido comprovado nos resultados preliminares.

Qual foi a participação do grupo durante o processo da pesquisa? Em quanto tempo ela foi feita?

Reino - O grupo foi fundamental para a execução da pesquisa. As análises clínicas são realizadas por operador que não participou da cirurgia, evitando favorecimento de resultados. A pesquisa, embora não concluída, tem duração de dois anos, pois os pacientes são acompanhados por no mínimo um ano.



E-mail
Cadastre seu e-mail e receba nossas Newsletters