INPN - O portal das revistas ImplatNews e PerioNews
 
Compartilhe  Compartilhe Twitter Imprimir Indique a um amigo
Publicado em: 12/09/2017 15h06

Ora direis, “ouvir” papilas!

O editor científico Paulo Rossetti destaca a participação de Ronaldo Barcellos no IN 2017.
Ronaldo Barcellos debateu o tema: "Manejo do tecido mole para estética e função em Implantodontia - o estado da arte".

 

O IN 2017 foi um grande congresso. Para quem não pôde estar presente por diversos motivos, destaco aqui a participação do Prof. Ronaldo Barcellos de Santana. Seu grupo nos presenteou com um artigo fundamental sobre a formação da papila interdentária e a presença/ausência de pontos de contato interproximal. Foi a primeira vez que isto veio ao público, e o Ronaldo escolheu este momento dada a importância do evento. Mas, por que é importante mesmo?

Estudos randomizados controlados são raros porque partimos de amostras gigantes para realmente ficarmos com o que vai tentar contradizer a hipótese nula. Dos 436 participantes, ficaram 60 (quase 14% do conjunto inicial). Ainda, estes pesquisadores conseguiram montar um modelo split-mouth (boca dividida), onde cada participante possuía, em um dos lados da maxila, pelo menos um diastema entre dentes. Isto também é muito difícil e minimiza consideravelmente possíveis variações entre pacientes.

Após a obtenção dos modelos de gesso e mensuração da altura das papilas, os pesquisadores concluíram que, em pacientes com gengivas saudáveis, o ponto de contato NÃO determina a presença e o tamanho da papila interdentária. Assim, medir do ponto de contato até o pico da crista óssea se tornaria desnecessário do ponto de vista clínico.

Com toda rigorosidade, confronta-se aqui cientificamente um dos modelos clássicos mais famosos sobre o assunto (100% de preenchimento papilar com uma distância mínima de 5 mm do ponto de contato até a crista óssea).

E, a partir deste momento, ficamos na torcida para que os resultados do Ronaldo e sua patota sejam reproduzidos por outros grupos ao redor do mundo.

Antes que eu me esqueça: o poema de Olavo Bilac se refere às estrelas, e não às papilas. Mesmo assim, acredito que o grupo do Ronaldo captou com destreza o verso “é preciso amá-las para entendê-las”.

Leia mais: doi: 10.1111/jcpe.12795.

 

Paulo Rossetti

Editor científico de Implantodontia da ImplantNewsPerio

 


E-mail
Cadastre seu e-mail e receba nossas Newsletters