INPN - O portal das revistas ImplatNews e PerioNews
 
Compartilhe  Compartilhe Twitter Imprimir Indique a um amigo
Publicado em: 9/24/2018 10h31

#Nacristadaonda

Paulo Rossetti resgata um pouco da história das doenças periodontais e peri-implantares, abordando temas como “distância” e “largura” “biológica”.

Teremos mudanças nos conceitos das doenças periodontais e peri-implantares. Caso você ainda não saiba, não perca a próxima coluna do prof. Élcio Marcantonio Jr. na revista ImplantNewsPerio. Com o título "As patologias peri-implantares na nova classificação das doenças periodontais", o artigo debate uma grande dúvida existente na comunidade científica: a determinação do que seria doença peri-implantar. E não deixe de ler, também, na coluna Sexta com Bianchini, sobre os fatores oclusais traumáticos.

Agora, um dos aspectos que também chamou atenção é o lance da “distância” ou “largura” “biológica”. Bem, vamos resgatar um pouco da história:

- Em 1921, Gottlieb publica um trabalho mostrando existir uma inserção epitelial gengival;

- Três anos depois, Orban e Kohler fazem mensurações;

- Em 1 de junho de 1960, Orban falece;

- Em julho de 1961, Anthony Gargiulo e Frank Wentz terminam as medidas iniciadas por Balint Orban e publicam o trabalho sobre a “junção dentogengival” (dentogingival junction);

- Em 3 de junho de 1962, dois anos depois da morte de Orban, o D. Walter Cohen faz uma palestra no Walter Reed Army Medical Center e cunha o termo “biologic width”;

- Em 1977, Ingber, Rose, e Coslet adotam o termo “distância biológica” no título de um dos seus artigos, referindo-se à palestra de Walter Cohen sobre o preparo periodontal da boca para a odontologia restauradora;

- Em 1979, Maynard e Wilson atribuem o nome de “subcrevicular physiological dimension” à “dentogingival dimension” de 1961;

- Em 1993, de Waal e Castellucci chegaram a escrever que a “biologic width” era uma “zona sagrada” que não deveria ser violada pela margem restauradora;

- Em 1994, John Kois chama estas distâncias de “dentogingival complex” e revisita o desenho de Coslet et al (1977): os conceitos “crista óssea baixa” e “crista óssea alta” serão usados como referência para a quantidade de fios de afastamento nas moldagens e probabilidade de recessão gengival após o preparo das margens;

- Em 29 de junho de 2018 – outra vez o fatídico junho – morre D. Walter Cohen.

No mesmo junho de 2018, o grupo de trabalho três sugere, no seu relatório de Consenso, trocar o termo “biologic width” por “supracrestal tissue attachment”, no suplemento especial do Journal of Clinical Periodontology.

Realmente, junho é o mês da “crista da onda”.

 

Paulo Rossetti

Editor científico de Implantodontia da ImplantNewsPerio

 

 

 

 



E-mail
Cadastre seu e-mail e receba nossas Newsletters