INPN - O portal das revistas ImplatNews e PerioNews
 
Compartilhe  Compartilhe Twitter Imprimir Indique a um amigo
Publicado em: 26/01/2018 14h52

Fatores coadjuvantes para o aparecimento da peri-implantite

A cicatrização correta de uma cirurgia de implante está diretamente relacionada à saúde geral do paciente.

Quando pensamos em fatores de risco para que a peri-implantite apareça, logo nos vem à cabeça o fumo, a doença periodontal pregressa, a má higiene oral e o diabetes não controlado. Esses fatores são realmente os mais aceitos na literatura, embora exista uma corrente de pesquisadores que os classifique apenas como indicadores de risco, e haja uma forte tendência em se separar esse grupo de pacientes como mais suscetíveis à peri-implantite.

Mas, além desses fatores já bastante conhecidos, existem outros que, de uma maneira mais leve, também podem contribuir para que as perdas ósseas peri-implantares sejam mais intensas e duradouras. Dentre eles, podemos citar o consumo exagerado de álcool e as deficiências nutricionais. O consumo excessivo de álcool, por se tratar de uma droga lícita, não nos traz tanta preocupação, assim como as deficiências nutricionais. Nós, dentistas, acabamos considerando que esses são problemas de ordem geral, mas que não atingem os implantes diretamente. Entretanto, eles podem, sim, ter alguma influência nas alterações peri-implantares.

O consumo exacerbado de álcool também está associado a funções alteradas de neutrófilos, reduzindo sua aderência e mobilidade à atividade fagocitária, além de modular a atividade dos linfócitos T. Outras substâncias presentes em bebidas alcoólicas – como etanol e nitrosaminas – podem produzir reabsorção óssea e bloquear o estímulo da neoformação óssea. Além disso, a atividade tóxica do álcool no fígado interrompe a produção de protrombina e vitamina K, afetando o mecanismo de coagulação e a cicatrização da ferida cirúrgica.

A deficiência nutricional não é reconhecida como um fator de risco da doença periodontal e, consequentemente, da doença peri-implantar. Contudo, tem valor significativo na resposta imune, já que reservas nutricionais baixas nos tecidos são associadas à baixa imunidade. Assim, a deficiência de nutrientes como cálcio e vitamina D pode favorecer a reabsorção de cemento e perda óssea. Adicionalmente, a deficiência de ácido fólico e proteínas pode reduzir a habilidade da gengiva de atuar como barreira contra a bactéria e diminuir o fluxo salivar. Assim, embora exista carência de estudos longitudinais, parece óbvio que deficiências nutricionais influenciarão de alguma forma nas respostas do hospedeiro frente a agressões bacterianas, podendo levar a uma perda óssea peri-implantar.

Figura 1 – paciente que fazia uso abusivo de álcool com deficiência de vitamina D. Observe extensas perdas ósseas peri-implantares.

 

É importante que o clínico relacione, de acordo com o grau de importância, os fatores locais e sistêmicos que podem influenciar no surgimento das doenças peri-implantares. O problema é que ainda não possuímos elementos suficientes para classificar quais fatores são mais ou menos importantes do que os outros. Dessa forma, devemos dar a todos alguma importância para a manutenção da saúde peri-implantar.

A literatura ainda não é consensual quanto aos fatores e indicadores de risco da peri-implantite. Cabe a nós darmos mais importância à saúde geral dos nossos pacientes. Isso pode ser feito através da comprovação, com exames laboratoriais prévios, ou do contato com o profissional médico, informando que o paciente em questão está estável sob todos os aspectos. A cicatrização correta de uma cirurgia de implante, bem como a manutenção da saúde dos tecidos peri-implantares, está, sim, diretamente relacionada à saúde geral do paciente.

 

Como fica confundido o ladrão quando o apanham, assim se confundem os da casa de Israel; eles, os seus reis, os seus príncipes, e os seus sacerdotes, e os seus profetas, Que dizem ao pau: Tu és meu pai; e à pedra: Tu me geraste; porque me viraram as costas, e não o rosto; mas no tempo da sua angústia dirão: Levanta-te, e livra-nos. Onde, pois, estão os teus deuses, que fizeste para ti? Que se levantem, se te podem livrar no tempo da tua angústia; porque os teus deuses, ó Judá, são tão numerosos como as tuas cidades. Por que contendeis comigo? Todos vós transgredistes contra mim, diz o Senhor. (Jeremias 2, 26-29).

 

 
   


Marco Bianchini

Professor associado II do departamento de Odontologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); autor dos livros "O Passo a Passo Cirúrgico na Implantodontia" e "Diagnóstico e Tratamento das Alterações Peri-Implantares".

Contato: bian07@yahoo.com.br



E-mail
Cadastre seu e-mail e receba nossas Newsletters