INPN - O portal das revistas ImplatNews e PerioNews
 
Compartilhe  Compartilhe Twitter Imprimir Indique a um amigo
Publicado em: 2/1/2019 10h32

Existe relação entre as bactérias da boca e o Alzheimer?

Marco Bianchini traz informações de estudo que confirma: a saúde bucal deve ser uma prioridade de saúde pública.

O ano de 2019 começou intenso no que diz respeito às pesquisas sobre Medicina Periodontal. Um novo estudo publicado no periódico Science Advances, em janeiro de 2019 (Dominy et al., Sci. Adv 2019;5:eaau3333 23 January 2019), indicou que uma bactéria muito conhecida entre nós, periodontistas, a porphyromonas gingivalis, pode ter relação com mudanças no cérebro em pessoas que têm o mal de Alzheimer. Os pesquisadores da Universidade de Louisville, nos Estados Unidos, descobriram que essa bactéria, que é muito comumente encontrada em pacientes com periodontite crônica, também vive no cérebro de pessoas com Alzheimer.

Os cientistas analisaram o tecido cerebral, o fluido espinhal e a saliva de pacientes vivos e já falecidos que tinham diagnóstico confirmado ou suspeita de Alzheimer. Testes em camundongos confirmaram que a bactéria poderia viajar da boca para o cérebro e mostraram que a proteína tóxica que elas secretam, chamada gingipain, destruiu os neurônios do cérebro, desencadeando mudanças cerebrais típicas da doença de Alzheimer.

Para investigar se as bactérias estavam causando doenças cerebrais, a equipe esfregou a bactéria porphyromonas gingivalis nas gengivas de camundongos saudáveis a cada dois dias durante seis semanas. Mais tarde, eles detectaram as bactérias no cérebro dos animais, juntamente com neurônios que estavam morrendo a níveis mais altos do que o normal.

Essas bactérias também aumentaram a produção de beta-amiloide, um componente das placas amiloides comumente associadas à doença de Alzheimer. Além disso, as enzimas produzidas pelas bactérias foram encontradas em níveis ainda mais elevados naqueles que sofreram pior declínio cognitivo e tinham mais acúmulo de beta-amiloide.

Concluída esta parte inicial do estudo, os cientistas ainda testaram drogas em camundongos, com o objetivo de bloquear as proteínas tóxicas, e descobriram que estas drogas eram capazes de deter a degeneração no cérebro. Uma droga semelhante foi testada em voluntários humanos e mostrou sinais de melhora na cognição em nove participantes com doença de Alzheimer, informa a empresa que financiou a pesquisa. Um estudo maior está programado para começar ainda este ano, objetivando confirmar estas tendências.

Alguns pesquisadores, que não participaram deste trabalho, foram bastante cautelosos, dizendo que ainda não está claro qual o papel das bactérias das gengivas no desenvolvimento da doença de Alzheimer, pois pessoas com Alzheimer são mais suscetíveis a infecções em seus cérebros. Então, pode ser que as bactérias da gengiva e as proteínas tóxicas que elas secretam sejam um subproduto da doença de Alzheimer e não uma causa.

Por outro lado, os autores foram bem enfáticos na conclusão do trabalho, afirmando que os resultados desse estudo oferecem evidências de que o porphyromonas gingivalis e a proteína gingipain no cérebro desempenham um papel central no desenvolvimento do mal de Alzheimer, fornecendo uma nova estrutura conceitual para o tratamento desta doença.

Embora já existam alguns estudos prévios que tentaram estabelecer uma conexão entre as doenças gengivais e a demência senil, parece que os dados dessa pesquisa são mais consistentes e, se confirmados, uma nova fase da Periodontia irá se estabelecer, reafirmando cada vez mais o que nós, dentistas, já sabemos: a saúde bucal deve ser uma prioridade de saúde pública muito maior do que é hoje em dia, especialmente em pessoas idosas.

 

Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus. (Filipenses 4; 6-7)


 

 
   


Marco Bianchini

Professor associado II do departamento de Odontologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); autor dos livros "O Passo a Passo Cirúrgico na Implantodontia" e "Diagnóstico e Tratamento das Alterações Peri-Implantares".

Contato: bian07@yahoo.com.br

 

           



E-mail
Cadastre seu e-mail e receba nossas Newsletters