INPN - O portal das revistas ImplatNews e PerioNews
 
Compartilhe  Compartilhe Twitter Imprimir Indique a um amigo
Publicado em: 8/2/2019 35h3

Uso da tecnologia nas mensurações periodontais e peri-implantares

Marco Bianchini compara características da sondagem clínica periodontal, ultrassom, tomografias computadorizadas e do uso de scanners intraorais.

A dimensão dos tecidos periodontais tem sido medida clinicamente há mais de 100 anos. Sondagens do sulco gengival e das bolsas periodontais são medidas obrigatórias que um clínico deve executar para poder chegar a um correto diagnóstico periodontal. Além disso, as medidas de recessão gengival também são tomadas, uma vez que muitos estudos sugerem que uma faixa estreita de tecido ceratinizado poderia estar associada a sinais de inflamação, mesmo não havendo microbiota patogênica na região.

Entretanto, pequenas alterações nos tecidos moles periodontais são muito difíceis de serem mensuradas e padronizadas in vivo. Esta afirmação também é válida para os implantes dentários, dos quais necessitamos tomar as mesmas mensurações. Desta forma, encontram-se na literatura alguns métodos para a mensuração dos tecidos moles periodontais e peri-implantares. São métodos invasivos, como sondagem do tecido com sonda periodontal e não invasivos, como os dispositivos de ultrassom e tomografia computadorizada do feixe cônico.

A sondagem clínica periodontal é o método mais comumente utilizado. Porém, as características de cada tipo de sonda, bem como dos dentes e do próprio tecido gengival, podem causar alterações na tomada de medidas. O resultado das aferições pode ser influenciado pela precisão dos intervalos de marcação da sonda, espessura, angulação, força de sondagem, precisão do ponto de referência, dor ou desconforto provocados pela sondagem ou mesmo a infiltração de anestésico nos tecidos, em caso de sondagem transgengival.

O ultrassom e as tomografias computadorizadas oferecem a oportunidade de realizarmos medidas mais precisas. Contudo, ambas as técnicas, apesar de serem bastante interessantes, ainda possuem alguns fatores limitadores. No ultrassom, temos a dificuldade de encontrar os mesmos locais de medição, espessura variável de tecidos, presença de rugas palatinas e compressão do tecido pelo instrumento.

Já a tomografia computadorizada, mesmo não sendo invasiva e fornecendo imagens mais precisas, contínuas, armazenáveis, com desconforto mínimo ao paciente e pouca distorção, também apresenta algumas desvantagens, como a radiação, distorções por excesso de artefato e dificuldade de identificação precisa dos tecidos moles.

Atualmente, vem ganhando força na comunidade científica a mensuração dos tecidos moles através do uso de scanners intraorais. A técnica possui alta reprodutibilidade e excelente precisão para a medição de variações de volume. As vantagens incluem seu caráter não invasivo, ausência de radiação e o fato de que ele pode ser facilmente aplicado. O scanner para medição do tecido mole fornece precisamente pequenas mudanças de morfologia no contorno gengival e pode ser um excelente método para avaliar a eficácia do tratamento.

O uso da tecnologia digital vem revolucionando a Odontologia nos últimos anos. No aspecto das mensurações periodontais e peri-implantares, esta técnica melhora a reprodutividade e reduz a variação de medidas em um mesmo indivíduo. Além disso, a obtenção de imagens digitais possibilita a ampliação para melhor visualização e sistemas de medição com escalas altamente precisas, para medir distâncias, áreas e volumes no computador. É um caminho sem volta na Odontologia e no futuro dos nossos métodos de diagnóstico.

Colaborou: Dra. Bruna Barbosa Correa, doutoranda em Implantodontia no Centro de Estudos e Pesquisas em Implantes Dentários (Cepid) – Universdidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

 

“E disse-lhes Jesus: tudo, portanto, quanto desejais que os outros vos façam, fazei-o vós também, a eles. Porque nisto consiste a lei e os profetas.” Mateus 7, 12.

 

 
   


Marco Bianchini

Professor associado II do departamento de Odontologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); autor dos livros "O Passo a Passo Cirúrgico na Implantodontia" e "Diagnóstico e Tratamento das Alterações Peri-Implantares".

Contato: bian07@yahoo.com.br

 

           

 


E-mail
Cadastre seu e-mail e receba nossas Newsletters