Publicado em: 28/03/2017 às 15h38

Pergunte ao especialista: ao realizar uma prótese fixa metalocerâmica, os dentes ficaram muito longos. Como solucionar?

O mestre em Prótese Dentária Gustavo Gomes de Oliveira responde aos leitores da PróteseNews.

Coordenação: Eduardo Miyashita
 

Ao realizar uma prótese fixa metalocerâmica, os dentes ficaram muito longos. Como solucionar este tipo de caso?

Pergunta enviada por Paulo Ricardo Barros de Campos, do Rio de Janeiro (RJ).

Gustavo Gomes de Oliveira - Normalmente, preocupamos-nos com a estética branca (os dentes). Mas, em decorrência de uma perda óssea severa, muitas vezes é necessário nos atentarmos para a estética rosa da área gengival. Existem duas maneiras de melhorá-la proteticamente em áreas anteriores da maxila, nas quais a perda de estrutura óssea e, consequente, a perda gengival foram muito extensas: através das próteses dentogengivais ou utilizando uma epítese, que consiste na confecção de uma estrutura acrílica removível da cor gengival, que é encaixada sobre os dentes e apoiada sobre o tecido gengival.

O paciente tem maior conforto e segurança com as próteses dentogengivais por apresentarem estrutura fixa. As principais indicações para esse recurso são:

a) Região anterior superior desdentada, na qual o paciente possui uma linha do sorriso de média para alta;
b) Perda do suporte labial em decorrência da perda dos dentes anteriores;
c) Correção de espaços negros que ocorrem devido à perda da papila interdental;
d) Quando implantes mal posicionados ficam vestibularizados em relação ao arco dentário.

Nos casos em que a linha do sorriso é alta, é muito importante observar a localização da junção da prótese com a mucosa, para que esta não apareça durante o sorriso, o que compromete a estética.

A principal desvantagem das próteses dentogengivais é a maior dificuldade de higienização por parte do paciente, aumentando o risco de periodontite ou peri-implantite.

Galeria de imagens - caso clínico 1

Galeria de imagens - caso clínico 2


Como selecionar as cores da cerâmica gengival?

Pergunta enviada por Frederico Marques da Silva, de Ipatinga (MG).

Gustavo Gomes de Oliveira - Durante a seleção de cor da cerâmica gengival, o mais conveniente é que o dentista e o técnico de prótese dentária tenham amostras dessas cores contidas nos kits e, através do método comparativo, façam a escolha e seleção dos pós-cerâmicos para aplicação da porcelana, individualizando cada caso clínico. Também é possível usar como referência a escala de cores de gengiva para próteses acrílicas, como do sistema Tomaz Gomes (STG), sendo necessário converter para as cores dos pós-cerâmicos de diversas marcas comerciais no mercado. Um fator muito relevante são as boas fotografias da boca, para uma melhor comunicação entre o profissional e o técnico.

Galeria de imagens - caso clínico

 

Gustavo Gomes de Oliveira

Mestre em Prótese Dentária – PUC Minas; Professor do curso de especialização em Prótese Dentária – ABO/MG.