Publicado em: 11/10/2017 às 14h21

Enceramento analógico versus digital

A tecnologia digital assumirá a linha de produção, mas não o processo de aprendizagem, criativo e da visualização em 3D.

Independentemente da evolução da tecnologia, a Odontologia de alta qualidade ainda dependerá do toque humano, sobretudo devido a habilidades técnicas, experiência clínica, senso comum e conhecimento sobre diagnóstico, planejamento de tratamento e oclusão.

Praticar procedimentos artesanais, como o enceramento, com certeza não é perda de tempo. A experiência analógica melhorará definitivamente as habilidades manuais e o processo de pensamento, e é por isso que sempre digo que o melhor processo de aprendizagem é analógico, para que possamos aproveitar o digital.

Tomamos como base o processo de criação de um carro. Ainda hoje, são usados desenhos artesanais e modelagem em argila, mesmo que as empresas estejam se movendo para desenhos digitais 2D e modelos impressos. Porém, ainda assim, o processo de aprendizagem que leva à formação de um bom designer baseia-se em exercícios analógicos.

A tecnologia digital assumirá a linha de produção, mas não o processo de aprendizagem, criativo e da visualização em 3D – pelo menos não nesta geração. Assim, a evolução é “imparável” e devemos estar prontos para aceitá-la e abraçá-la, ao invés de impedi-la.

Por essa razão, começamos a aprender desenhos manuais antes do design digital. Começamos a praticar o enceramento e os planos de cera artesanais antes de projetar com CAD/CAM. Os laboratórios se tornarão indústrias fornecedoras de produtos de alta funcionalidade e totalmente digitais, mas os gerentes dessas indústrias serão pessoas com habilidades adquiridas através de treinamento e experiência em processos manuais. A visão, o processo de pensamento e o processo de tomada de decisão são os principais fatores adquiridos pelas pessoas em todo o seu conjunto de educação, desde a infância.

Os procedimentos manuais podem desaparecer da Odontologia porque serão superados pela tecnologia, e as habilidades visuais, manuais e artísticas serão melhoradas através de treinamento digital. Acredito que o enceramento digital vai superar o analógico por diversos motivos, como os listados abaixo:

- Completamente guiado pela face;

- Cópia exata da moldura do sorriso em 2D aprovada pelo dentista;

- Menor treinamento para executá-lo. Para se tornar um bom encerador analógico, é preciso vários anos de experiência; e para se tornar um bom designer digital, é preciso menos de um ano;

- Algoritmos naturais: os enceramentos digitais podem usar bibliotecas de formas naturais, enquanto os enceramentos convencionais dependem de formas artesanais;

- Pode ser salvo e usado para planejar o restante do caso em todos os softwares interdisciplinares (ortodônticos, ortognáticos, implantes e CAD/CAM restaurador);

- Enceramentos digitais, simulações, provisórios e restaurações CAD/CAM podem ser idênticas;

- Pode fazer várias versões com diferentes projetos e propósitos muito rapidamente;

- Pode ser salvo para sempre, sem ocupar espaço ou se deteriorar. 



Comparação entre o registro de mordida digital e o analógico

- Analógico

 

Figura 1 – Uso de um desprogramador para encontrar a posição de RC.

 

Figura 2 – Registro da RC com um material de registro de mordida.

 

Figura 3 – Modelos montados usando o registro de mordida.

 

Figura 4 – Modelos sem registro de mordida.

 

Figura 5 – Articulador completo dentro do scanner.

 

Figura 6 – O software 3D irá sobrepor os três arquivos: arcadas superior e inferior, e registro de mordida.

 

Figura 7 – Modelos montados no articulador virtual com a nova RC pronta para o design digital funcional-estético.

 



- Digital

Figura 8 – Neste caso, a MIH é a posição restauradora escolhida para ser registrada e foi utilizado um scanner intraoral.

 

Figura 9 – Os três arquivos se sobrepõem no software 3D: superior e inferior.

 

Figura 10 – Modelos montados no articulador virtual com a nova RC pronta para o design digital funcional-estético.

 

Sabemos que os scanners intraorais e as impressões digitais “vieram para ficar”. A precisão está melhorando e os processos estão simplificados. Uma das principais vantagens de usar scanners intraorais é registrar a mordida, independentemente do modelo de trabalho ser proveniente de uma varredura intraoral ou scanner de bancada para modelos regulares.

Escanear a mordida diretamente na boca remove muitas etapas analógicas que podem gerar distorção, como:

- O próprio material de registro de mordida pode trazer distorção;

- O material de moldagem periódica pode gerar distorção nos modelos;

- Vazar os modelos em gesso;

- Adaptar o material de registro de mordida nos modelos;

- Conexão dos modelos ao articulador com gesso.


Outro grande benefício do registro de mordidas com scanners intraorais é transferir o posicionamento alcançado com placas de mordida ou provisórias. Quando o paciente consegue uma posição confortável com esses dispositivos, o dentista só precisa escanear intraoralmente o paciente mordendo este dispositivo, e o software o sobrepõe na posição desejada, evitando procedimentos analógicos complicados, registros de mordida, montagem cruzada etc.

 

 

Christian Coachman

Dentista e ceramista graduado pela USP; Criador do Conceito DSD; Palestrante e consultor internacional; Membro da Academia Brasileira e Americana de Odontologia Estética; Clínica particular em São Paulo.

www.digitalsmiledesign.com 
www.wellclinic.com
info@digitalsmiledesign.com
instagram: @chriscoachman
facebook.com/christiancoachman