Publicado em: 27/02/2018 às 09h44

Celebration PróteseNews multiplica conhecimento

Em sua segunda edição, o encontro reforça o compromisso com a disseminação de conteúdo clínico-laboratorial de alta qualidade.

Colaboração: Renata Faria


Apostando no conceito inovador de imersão total para alcançar aprimoramento profissional mais eficiente, a segunda edição do Celebration PróteseNews encerrou o calendário de eventos de 2017 com chave de ouro. Por ser um congresso com foco na atualização clínicolaboratorial de protesistas e técnicos em Prótese Dentária, a programação científica contou com grandes nomes dessa área: Luiz Fernando Pegoraro, Hilton Riquieri, Guilherme Saavedra, José Cícero Dinato e a equipe do Ateliê Oral, composta por Marcelo Kyrillos, Marcelo Moreira, Luis Calicchio, Wagner Nhoncance e Gustavo Giordani.

Mais uma vez, o Centro de Convenções Rebouças, em São Paulo (SP), foi o palco desse importante encontro anual, que tem a assinatura da revista PróteseNews e a realização da VM Comunicação.

O Celebration PróteseNews reuniu mais de 300 participantes, de 14 estados brasileiros, nos dias 23 e 24 de novembro. Marco Antonio Bottino, editor-científico da revista PróteseNews e presidente do evento, vê com bons olhos o crescimento do congresso. “Nossa missão é promover o desenvolvimento da Prótese Dentária nos contextos clínico e laboratorial. É gratificante perceber que esse encontro se tornou um ponto de convergência dos grandes profissionais da Prótese Dentária brasileira”, comemora.

Simultaneamente, aconteceu também a Expo Celebration PróteseNews 2017, uma exposição promocional em que 20 empresas apresentaram produtos, serviços e equipamentos para as atividades diárias na clínica ou no laboratório.

A seguir, acompanhe os principais temas discutidos durante esse encontro.

PLANEJAMENTO EM REABILITAÇÃO ORAL

Luiz Fernando Pegoraro abriu o evento fazendo uma abordagem multidisciplinar e enfatizou o significado de sucesso e sobrevivência de tratamentos reabilitadores, mostrando a importância da oclusão nesse processo. Ele propôs um questionamento: existem diferenças no planejamento e na execução entre diferentes extensões de reabilitações protéticas? A resposta foi sim e não. Não, porque as fases técnicas são iguais. E sim, porque o planejamento estará relacionado ao fator oclusal: posição de trabalho (relação cêntrica) e restabelecimento da dimensão vertical. 

Com ponderações bastante equilibradas, mostrou que, apesar da importante evolução dos materiais restauradores, como as próteses livres de metal, as metalocerâmicas ainda são consideradas padrão-ouro, já que apresentam alto índice de sucesso há mais de 40 anos.

Ao abordar as reabilitações sobre implantes, relatou que a primeira opção de tratamento reabilitador de áreas edêntulas com próteses parciais fixas deve ser sempre com implantes, desde que os critérios empregados no diagnóstico, planejamento e execução sejam precisos e corretos.

Também foram abordados conceitos e informações sobre Oclusão. Segundo o professor, é indispensável o conhecimento e o estudo profundo desse tema tão fundamental para as reabilitações protéticas.



TÓPICOS DE ANATOMIA E ESCULTURA DENTÁRIA

Hilton Riquieri apresentou conceitos e técnicas para a realização de esculturas dentais. Ele considerou que o cirurgião-dentista tem uma boa base não somente pelos ensinamentos adquiridos na faculdade, mas pelo trabalho do dia a dia, porém não tem o treinamento psicomotor. Com treinamento intensivo, em alguns meses, o profissional consegue abrir os olhos para o “mundo do laboratório”, alcançando melhora na execução das esculturas das restaurações diretas na boca, menor tempo de trabalho e melhor comunicação com o técnico de laboratório.

Também explicou como fazer uma conexão entre morfologia e o que está sendo apresentado diante dos nossos olhos. Enfatizou a necessidade desse tipo de conhecimento para o desenrolar do trabalho no dia a dia, e a relevância daquele conhecimento tão básico da época da faculdade, que é sempre negligenciado e que agora se mostra bastante importante.

Segundo Riquieri, já estamos vivendo o passado porque estamos no mundo do algoritmo natural – a cópia do que é natural. Porém, sempre precisamos adequar o projeto à necessidade e ao contexto de cada caso, ou seja, criar o encaixe perfeito.
 

OS DESAFIOS DA ODONTOLOGIA MODERNA COM CAD/CAM

Guilherme Saavedra falou detalhadamente sobre os problemas que podem ocorrer nas diversas etapas para a realização da moldagem funcional e na obtenção do modelo de gesso. Baseado na limitação dos procedimentos tradicionais, haverá o crescimento exponencial do uso de meios para captar imagem intrabucal.

Ele considerou interessante o cirurgião-dentista fazer o trabalho protético “do começo ao fim”, ou seja, todos os procedimentos clínicos e laboratoriais, o que seria possível com a tecnologia disponível atualmente. Porém, além do alto investimento, também existe a curva de aprendizado e o treinamento para o manejo dos equipamentos. Uma interessante abordagem foi feita sobre a simplificação dos procedimentos de desenho digital de morfologias dentárias utilizando o duplo escaneamento ou biocópia.

Conceitos estéticos de forma de dentes e seleção de cor foram explicados de maneira muito interessante, com dicas importantes para avaliar o paciente e obter um resultado estético de excelência.
Por ter vasta experiência em pesquisa, ele expôs vários casos clínicos realizados com alta tecnologia, abordando características e propriedades dos materiais cerâmicos, bem como os aspectos de tratamento de superfícies e cimentação, sempre com muitas evidências científicas.



CONSIDERAÇÕES ESTRATÉGICAS APLICADAS NAS REABILITAÇÕES PROTÉTICAS

José Cícero Dinato enfatizou a importância do planejamento e do projeto para obter previsibilidade e longevidade nas reabilitações protéticas. Em uma sequência extremamente didática, mostrou detalhadamente os aspectos de preparo, moldagem, materiais, confecção e cimentação, sempre embasado cientificamente com inúmeros trabalhos de pesquisa abordados durante cada fase da apresentação.

Fez uma interessante comparação entre moldagem tradicional e digital. Apesar de sua grande experiência nos dois tipos de procedimentos, preocupou-se em realizar a comparação totalmente baseada em trabalhos científicos. Ele considera que o futuro é a moldagem digital.

Na área da Implantodontia, detalhou aspectos mecânicos e biológicos das conexões protéticas, fazendo comparações entre hexagonais e cônicas, materiais dos pilares (metálicos e cerâmicos) e mostrando características ósseas e teciduais peri-implantares. Analisou também o posicionamento dos implantes e sua relação com a estética.

Além disso, fez uma excelente abordagem com relação à comparação entre cirurgias convencionais e guiadas. Realizou analogias com cirurgias na área médica, considerando que um procedimento menos invasivo é sempre melhor para o paciente com relação ao tempo cirúrgico e ao pós-operatório. Para ele, as guias podem apresentar problemas de precisão de posição de implantes entre o que foi projetado virtualmente e o resultado obtido clinicamente. Porém, com a constante evolução tecnológica, a tendência é chegar cada vez mais próximo da precisão.



REABILITAÇÕES ORAIS COM FINALIZAÇÃO EM CERÂMICAS DENTAIS

A equipe do Ateliê Oral, composta por Marcelo Kyrillos, Marcelo Moreira, Luis Calicchio, Wagner Nhoncance e Gustavo Giordani, encerrou o evento apresentando diversos casos de reabilitações orais e demonstrando como as especialidades podem se unir para o tratamento de casos estéticos. Para eles, a tecnologia não é mais o futuro, e sim o presente. Nesse sentido, puderam mostrar como os novos recursos são aplicados em todas as áreas da Odontologia que, muitas vezes, estão simultaneamente envolvidas em casos de reabilitações extensas.

O correto planejamento em equipe e o diagnóstico do sorriso, aliados a uma ampla e moderna infraestrutura para receber o paciente e suprir todas as suas necessidades, resultam na obtenção de um resultado final de excelência. Um bom plano de execução e sequência de procedimentos clínicos revela que é possível começar o tratamento já sabendo o resultado.

Procedimentos e cirurgias periodontais também foram fortemente abordados. Eles ressaltaram a importância de conhecer o biotipo gengival, que pode influenciar muito no espaço biológico. A média desse espaço, citada na literatura, está por volta de 3 mm, porém, se utilizarmos para todos os pacientes, poderá não resultar em boa estética ao considerar o biotipo gengival. Essa avaliação pode ser feita com uma simples sondagem ou por exames de tomografia utilizados na Implantodontia.

Ainda foi dada bastante ênfase à possibilidade de realizar preparos minimamente invasivos, graças à tecnologia e aos novos materiais cerâmicos. Além disso, mostraram que a tendência atual para a estética é reabilitar com assimetrias, ou seja, sair do padrão. Em outras palavras, a tendência é se aproximar do natural.
 

A edição 2018 do Celebration PróteseNews acontecerá de 4 a 5 de outubro, no Anhembi, em São Paulo. Para mais informações: (11) 2168-3400.